exposição Gaudí Tomie Ohtake

Barcelona é a segunda maior cidade da Espanha e atrai milhões de turistas todos os anos, seja pelas belas praias ou pelo ar boêmio que inspira. A cidade catalã é rica em cultura e chama muita atenção por ser o berço de um dos maiores nomes do modernismo. O arquiteto Antoni Gaudí fez de Barcelona a sua cidade eleita e eternizou sua arte em obras hoje mundialmente famosas como Casa Batlló, Park Güell e La Sagrada Família.

Em parceria com o Museu Nacional d’Art de Catalunya, Museu Del Temple Expiatori de La Sagrada Família e Fundació Catalunya-La Pedrera, o Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, recebe até o dia 5 de fevereiro de 2017 a mostra Gaudí, Barcelona 1900. Com esculturas, móveis e objetos desenhados pelo catalão, a exposição celebra este artista que estava à frente de seu tempo.

Banco sinusoidal do Park Güell, feito com cacos de azulejos reaproveitados;

Apesar de se enquadrar dentro do movimento modernista, Gaudí procurava se distanciar da vertente que servia aos desejos e luxos da burguesia. O arquiteto não gostava de rótulos e, apesar de criticar o vanguardismo, se aproxima deste movimento, pois ambos romperam com os padrões de suas épocas. Gaudí sempre explorou muito as cores e formas, inspirado pela natureza.

Ao longo da exposição é possível ver diversas maquetes (são 46 ao todo), algumas em escala real, que representam partes de alguma composição arquitetônica do artista, um prato cheio para estudantes ou profissionais da área, mas que não deixam de impressionar o público leigo. Além das obras de Gaudí a exposição traz algumas pinturas de artistas como Ramón Casa e Santiago Rusinõl, contemporâneos do modernismo.

Pináculo de uma das torres da Sagrada Família;

Maquete da Casa Batlló;

Ao observar algumas das fotografias que compõem o ambiente, ao lado de móveis desenhados pelo próprio Gaudí, somos transportados para dentro de suas criações. Para além da fachada, podemos conhecer como o arquiteto pensou também o interior de seus prédios. Nos anos 90, a profissão de ensemblier, que se assemelha hoje ao designer de interiores, era muito valorizada.

Interior da Casa Batlló;

Bandeira de porta envidraçada da Casa Batlló;

Cadeira da sala da Casa Calvet;

Maquete da abóbada da Basílica da Sagrada Família;

Foto da abóbada da Basílica;

Maquete da Sagrada Família;

O Instituto Tomie Ohtake abre de terça a domingo das 11h às 20h (última entrada às 19h) e fica na Avenida Faria Lima, 201. O metrô mais próximo é a estação Faria Lima, na linha amarela. Os ingressos custam R$ 12,00 (R$6,00 meia).

Vale a pena visitar a exposição que vai até dia 05 de fevereiro de 2017. Mais informações aqui.

Fotos: @Mariana Sicchi.

Mariana Dib é jornalista e comunicadora. Adora descobrir novos lugares, explorar a cidade a pé e andar sem pressa. Se interessa por viagem, cultura e tudo o que é novidade. Escreve sobre meio ambiente, sustentabilidade e consumo consciente. Também se dedica a cozinhar, como forma de prazer e arrisca novas receitas no tempo livre.

Mariana Sicchi – já escreveu posts no Follow the Colours.


Comentários