follow-the-colours-sorvete-preto-morgensterns-finest-ice-cream-01

Vermelho para sorvete de morango, nuances amarronzadas para caramelo e chocolate, e assim por diante. Mas, e o preto? De qual sabor esse sorvete seria? Em Nova Iorque e no Instagram esta é a nova mania, já que a Morgenstern’s Finest Ice Cream, uma das mais famosas da cidade, criou recentemente uma iguaria exatamente desta cor.

follow-the-colours-black-ice-cream-02

Superescuro, o intitulado Black Coconut Ash, traduzido literalmente como ‘cinzas de coco queimado‘, é feito de cascas de coco queimado com leite e creme de coco, além de flocos. Para atingir o tom, a Morgenstern’s não precisa utilizar produto artificial algum, já que restos carbonizados e processados das cascas da fruta dão a coloração.

Completamente natural, o carvão orgânico e vegetal ativado das cascas do coco que foi carbonizado e processado com o calor elevado  – também usado (sem comprovação de eficácia) como um agente de desintoxicação – confere à preparação o sabor da fruta aliado à aparência escura.

Seria uma inovação na indústria alimentícia que hoje utiliza a bolacha Oreo (em caso de sobremesas e doces), tinta de lula ou alcaçuz para reproduzir a cor.

follow-the-colours-sorvete-preto-morgensterns-finest-ice-cream-02

follow-the-colours-black-ice-cream-03

follow-the-colours-black-ice-cream-04

Assim, com Black Coconut Ash a Morgenstern’s, que já oferece uma variedade de sabores especiais – como Bourbon Vanilla, Caramel Salted Pretzel and Lemon Espresso -, promete levar aos dias mais quentes uma experiência estranhamente refrescante na cidade das maiores novidades gastronômicas!

follow-the-colours-black-ice-cream-05

Se você está com viagem marcada para NY, não deixe de experimentar! A sorveteria Morgenstern’s Finest Ice Cream fica na 2 Rivington Street, em Lower East Side, Manhattan.

Via. Vídeo: Insider.

Jornalista de moda e lifestyle, Selena Escher trabalha com conteúdo. Capricorniana e pesquisadora constante, adora arte, conhecer novas culturas, viajar, comer bem, a década de 1920, música, assistir a filmes e sentir-se livre.

Selena Escher – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:
Comentários