Com seus prédios dos mais diversos estilos, formas e tamanhos, São Paulo possui um verdadeiro acervo cultural ao ar livre. Para quem gosta de arquitetura, basta andar pelas ruas para se encantar com as linhas, curvas, chãos, tetos, detalhes, que, podem parecer comum aos olhos de alguns, mas enchem de inspiração aqueles que se emocionam com uma simples parede ou porta.

Pensando nisso, conversamos com algumas profissionais do segmento, que nos deram dicas de seus lugares favoritos e locais emblemáticos que se destacam na cidade justamente por estes motivos. 

Na visão de Patricia Anastassiadis, Juliana Cintra do Prado, Fernanda Marques, Melina Romano e das meninas do escritório Mestisso Arquitetura & Interiores, esses estabelecimentos são “O melhor de São Paulo” – por quem faz arquitetura e pra quem curte arquitetura. Confira os destaques citados por elas e programe-se para se inspirar com a visita:

1 – Pinacoteca de São Paulo

Pinacoteca de São Paulo é um dos mais importantes museus de arte do Brasil e o mais antigo da cidade. Instalada no antigo edifício do Liceu de Artes e Ofícios e projetado no final do século XIX pelo escritório do arquiteto Ramos de Azevedo, o prédio foi parcialmente inaugurado em 1900.

A Pina, como também é chamada hoje, foi idealizada em estilo neorrenascentista, tipologia adequada aos edifícios oficiais, conforme a tradição arquitetônica da Beaux-Arts parisiense e imaginada como um monumento. O prédio é formado por três pavimentos, com dois pátios internos para garantir ventilação e iluminação. No centro, primeiro piso, localiza-se o saguão central, com altíssimo pé-direito e janelas voltadas para o interior.

O edifício, no entanto, nunca foi concluído, como mostram os tijolos expostos e a ausência visível de uma cúpula, que constava no projeto original. O local passou por uma ampla reforma com projeto do arquiteto Paulo Mendes da Rocha no final da década de 1990. Paulo é um dos grandes nomes da arquitetura moderna brasileira e é reconhecido por propor soluções criativas mas, plenamente, inseridas na paisagem.

2 – Casa de Vidro Lina Bo Bardi

Considerada ícone da arquitetura moderna no Brasil, a Casa de vidro Lina Bo Bardi foi o primeiro projeto construído pela famosa arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi. O loteamento da antiga Fazenda de Chá Muller Carioba, na região do Morumbi, em São Paulo foi o local escolhido para construção, iniciada entre 1950 e 1951. A Casa de Vidro, residência do casal Lina Bo e Pietro Maria Bardi por mais de 40 anos, ganhou este nome por sua fachada de vidro que parece flutuar sobre pilares.

O jardim, que ocupa uma área de 7.000 m2, expressa o amor dos dois pela riqueza natural brasileira. Cuidadosamente planejado e plantado pela própria Lina, a vegetação rasteira da época transformou-se em floresta particular, com trilhas decoradas com pedras e cacos de cerâmica.

Além de marco arquitetônico, na época, a Casa de Vidro tornou-se ponto de encontro de artistas, arquitetos e intelectuais. Hoje, abriga a sede do Instituto Lina Bo e P.M. Bardi que tem como objetivo promover e divulgar a arquitetura, design, urbanismo e arte popular brasileira, mantendo vivo o pensamento e obra do casal.

3 – Fundação Maria Luisa e Oscar Americano 

Fundação Maria Luisa e Oscar Americano foi criada por Oscar Americano (engenheiro e empresário brasileiro), em março de 1974, dois anos após o falecimento de sua esposa Maria Luisa Ferraz Americano, doando à cidade de São Paulo, além da casa em que viveram com os filhos durante 20 anos, uma coleção de obras de arte e um extenso parque.

A Fundação tem como objetivo preservar a natureza, reunir peças e documentos ligados à história do Brasil, realizar cursos, concertos e outras atividades culturais, além de oferece aos visitantes um panorama do passado e do presente do país.

Em meio a plantas e árvores de vários tipos, há a incrível casa projetada pelo arquiteto Oswaldo Arthur Bratke em 1950. Nela, é possível visitar um acervo constituído por pinturas desde o século XVII, mobiliário, prataria, porcelana, tapeçaria e arte sacra do século XVIII.

4 – Praça do Patriarca

Praça do Patriarca fica na Sé e é uma das mais antigas da cidade. O local começou a ser construído por volta do ano de 1912 com a demolição de antigos casarões localizados entre a Ruas São Bento e Líbero Badaró, na continuidade das Ruas Direita e da Quitanda.

Ali, é fácil reconhecer o pórtico projetado pelo arquiteto Paulo Mendes da Rocha, uma cobertura metálica com 40 metros de vão, demarcando os limites entre o centro velho e novo, do interior ao exterior da Galeria Prestes Maia. O lugar, onde as pessoas já não paravam mais, com a reforma ganhou novas funções, recuperando seu sentido na cidade. Além disso, a praça ganhou um piso de mosaico para delimitar a área.

Ao redor da Praça do Patriarca estão edifícios importantes da história de SP, como a sede da Prefeitura (instalada no Edifício Matarazzo), o Othon Palace Hotel (um dos mais famosos hotéis do centro que encerrou suas atividades em 2008), a Igreja de Santo Antônio (a mais antiga da cidade), o Theatro Municipal, Faculdade de Direito da USP, Largo São Francisco e a Praça Ramos de Azevedo.

5 – MuBE

MuBE ocupa uma área de 7.000 metros quadrados no Jardim Europa, bairro nobre da capital paulista. O seu edifício-sede é um dos mais significativos da obra de Paulo Mendes da Rocha. Uma grande viga perpendicular à via principal e um vão livre de 60 metros tornam o museu referência inconfundível na paisagem do bairro.

O prédio foi erguido em concreto aparente, com áreas expositivas abrigadas abaixo do nível da rua, tornando o silêncio parte do ambiente interno. Além disso, há um auditório, a área administrativa e local especial para cursos, além de um jardim projetado por Burle Marx, que complementa o espaço e é mais uma das atrações da instituição.

6 – Edifício Viadutos 

Edifício Viadutos fez parte do planejamento urbano desenvolvido pelo empresário Artacho Jurado, um dos responsáveis por escrever a história arquitetônica da cidade. O prédio foi desenhado e pensado para atender as demandas das classes emergentes da década de 1950 da cidade de São Paulo, que buscavam locais e construções que traduzissem seu estilo de vida que era, cada vez mais, influenciado por referências estrangeiras.

A construção de 1956 (restaurada em 2014) possui 368 apartamentos divididos pelos seus vinte e sete andares. O estilo arquitetônico é eclético, inspirado no Nouveau, Decó e Hollywoodiano. Em sua cobertura é possível ter uma visão de 360º da cidade de São Paulo.

7 – Edifício João Moura 

Em meio ao cinza de São Paulo, surge o Edifício Comercial João Moura, que traz fantásticos volumes e painéis coloridos assinados pelo escritório Nitsche Arquitetos. O local interliga os bairros da Vila Madalena e Pinheiros.

Situado em uma área de topografia difícil, os arquitetos então tomaram proveito do relevo para criar um acesso a 10m de profundidade do alinhamento frontal – o dobro do requisitado por lei, dispensando escavações ou grandes movimentos de terra. Neste espaço, foram inaugurados dois espaços coletivos, a entrada e uma praça verde.

8 – Hotel Unique

Hotel Unique é muito conhecido pela sua ousada arquitetura em formato de barco (ou melancia como dizem alguns?). A arquitetura marcante do arquiteto Ruy Othake foi construída em plena Avenida Brigadeiro Luis Antonio e conta com uma estrutura inédita em forma de arco invertido. Além disso, o prédio traz curvas, empenas de concreto – e revestimento de cobre, além de enormes janelas circulares que dão uma visão panorâmica da região dos Jardins. 

Sempre questionado sobre como chegou a essa forma – Ruy Ohtake revela que apenas começou a desenhar, mas diz que o ponto de partida passou pelo fato de que na região onde o edifício está localizado só eram permitidos prédios de até sete andares, ou seja, 25 metros.

09 – Sesc Pompeia

Sesc Pompeia é um centro de cultura e lazer localizado na zona oeste da cidade, que reúne teatros, quadras esportivas, piscina, lanchonete, restaurante, espaços de exposições, choperia, oficinas, área de leitura e internet livre, entre outros serviços. Seu projeto arquitetônico foi desenvolvido pela arquiteta Lina Bo Bardi em 1977. Sua inauguração, em 1982, contou com apresentações de bandas da cena punk de São Paulo na época, como Inocentes, Ratos de Porão, Cólera e Olho Seco.

Ao visitar a Fábrica de Tambores, o lugar onde seria implantado o Sesc, a arquiteta encontrou uma bela construção, feita com estrutura pioneira no Brasil de concreto armado com vedações em alvenaria. O que mais chamou a atenção, porém, foi o espaço que, durante os finais de semana era povoado por famílias com crianças brincando e jovens se divertindo. Lina, percebendo todas aquelas atividades, partiu desse princípio para criar o seu projeto: “Pensei: isso tudo deve continuar assim, com toda esta alegria”.

10 – Terraço do MAC

O Museu de Arte Contemporânea (MAC) foi criado em 1963 quando a Universidade de São Paulo recebeu o acervo do antigo MAM de São Paulo, formado pelas coleções do casal de mecenas Yolanda Penteado e Ciccillo Matarazzo.

Instalado em um complexo arquitetônico criado nos anos 1950 pelo arquiteto Oscar Niemeyer e equipe, o MAC USP hoje possui um acervo de cerca de 10 mil obras, entre pinturas, gravuras, tridimensionais, fotografias, arte conceitual, objetos e instalações.

Além de contar com o belíssimo espaço para as mostras, é do terraço (sétimo andar) que temos um vista de 180° da cidade, pela qual pode-se ver o obelisco, a avenida, o Parque do Ibirapuera e tirar muitas fotos. Um cenário único na cidade!

11 – Bar da Dona Onça – localizado no térreo do Copan

O Copan é um dos mais importantes e emblemáticos edifícios da cidade. Construído na década de 50 pelo arquiteto Oscar Niemeyer, é a maior estrutura de concreto armado do Brasil e o maior edifício residencial da América Latina. Tem 115 metros de altura, 35 andares (3 dos quais comerciais), 1160 apartamentos e cerca de 2000 moradores. No térreo existe uma área comercial com mais de 70 lojas.

E é no térreo do Copan que fica o Bar da Dona Onça, um dos restaurantes mais premiados de São Paulo, que traz versões próprias de porções e comidas de boteco, os melhores clássicos do interior paulista, como carne moída com quiabo, picadinho, dobradinha, feijoada e muitos, muitos petiscos deliciosos acompanhados de cerveja e drinks gelados.


Gostou? Sim, ainda faltam muitos lugares que esbanjam inspiração em arquitetura na cidade de São Paulo para completar essa lista! Podemos citar outros locais que valem a visita como o Edifício Martinelli, MASP, Galeria do Rock, Edifício Itália e muito mais.

Sabia que em SP existem até roteiros que tem como tema a Arquitetura pela cidade? Há passeios organizados pelo site de Turismo Oficial de SP e pelo Instituto de Arquitetos do Brasil.

E você nos recomendaria algum lugar imperdível? Deixe sugestão nos comentários!

Imagens: divulgação.

Carol T. Moré é editora do FTC. Internet, café, todo tipo de arte, viagens e pequenos detalhes da vida a fazem feliz. Acredita que boas histórias e inspirações transformadas em pixels conectam pessoas.

Carol T. Moré – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:
Comentários