As projeções interativas do Coletivo TeamLab são resultado da união do trabalho de profissionais de diversas áreas. Dentre eles estão programadores, artistas, animadores, engenheiros, matemáticos e arquitetos. As obras criadas pelo grupo carregam essa diversidade, e proporcionam experiências que permeiam as artes, a ciência, a tecnologia, o design e a natureza.

O grupo surgiu no ano de 2001 no Japão, e desde então já expôs em uma série de localidades ao redor do mundo. Algumas de suas obras estão expostas permanentemente em galerias de países como Austrália, Estados Unidos, Turquia e Finlândia, por exemplo.

Em junho de 2018, inclusive, eles ganharam um museu próprio na cidade de Tóquio. O Mori Building Digital Art Museum que conta com uma área de 10 mil metros quadrados, onde 520 computadores e 470 projetores levam o público a uma imersão no universo fantástico chamado pelo coletivo de “mundo sem fronteiras”.

O grupo conta que a tecnologia permitiu que sua arte transcendesse limites físicos: “O teamLab não vê limites entre os seres humanos e a natureza e entre si e o mundo; um está no outro e o outro em um. Tudo existe numa longa, frágil, porém miraculosa, continuidade sem fronteiras da vida”, afirmam.

Segundo o site do Coletivo, o objetivo dos seus projetos altamente sensoriais é “explorar uma nova relação entre os seres humanos e a natureza, e entre si e o mundo através da arte”.

Um dos projetos do grupo se chama Planets. Composto por sete obras, que podemos chamar de “experiências”, a exposição segue um conceito chamado de Body Immersive.

O conceito de “imersão do corpo” consiste em integrar completamente o corpo à arte, rompendo os limites entre a obra e o observador. Inclusive os visitantes são convidados a adentrar o espaço expositivo descalços para contribuir com a sensação de integração com os ambientes.

Outra exposição do Coletivo se chama Tomorrow is the Question. Ela provoca o público acerca do futuro dos recursos naturais através de esculturas, obras de vídeo, instalações e obras interativas. Os cenários variados dialogam sobre as mudanças e desafios sobre o nosso futuro no planeta.

Na instalação Universe is Water Particles uma grande cachoeira foi projetada no espaço cultural The Tank, em Xangai. O público pode interagir com a projeção da água, que se molda em tempo real ao contato humano.

A exposição intitulada A Forest Where God’s Live contou com uma série de projeções instaladas no parque Mifuneyama Rakuen, no Japão, que conta com uma área de 500 mil metros quadrados. O parque, com mais de 170 anos de história, une características de floresta e de jardim em sua extensão. E é essa fluidez do espaço que garante a intenção do projeto de quebrar as fronteiras entre o ser humano e a natureza. A experiência de se perder e de se integrar ao espaço natural é o que norteou a criação da obra.

Além do site, você pode acompanhar os demais projetos incríveis do TeamLab através do perfil do grupo no Instagram.

Via/Via.

Affonso é arquiteto e urbanista e tem dificuldade em ficar parado. Amante dos trabalhos manuais desde pequeno, criou sua loja online, a Caixote dos Milagres, em 2015. Por lá ele comercializa bordados que confecciona a partir de suas próprias ilustrações. Affonso adora artes, decoração e qualquer projeto de “faça-você-mesmo”. Acredita que com criatividade é possível transformar o espaço e as pessoas ao seu redor.

Affonso Malagutti – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários