Erwin Wurm faz uso do bom humor para tratar de diversas questões pertinentes à sociedade contemporânea. Aos 65 anos de idade, o artista vive e trabalha entre Viena e Limburgo, na Áustria, e suas obras estão presentes em coleções de arte por todo o mundo.

Nascido na pequena cidade austríaca de Bruck an der Mur, ele se formou na Universidade de Graz, no seu país de origem, em 1977. Posteriormente ele também estudou na Universidade de Arte Aplicada de Gestaltungslehre e na Academia de Belas Artes de Viena, em 1982.

Apesar da escultura se destacar em seu trabalho, o artista já investiu em diferentes materiais e técnicas ao longo de sua carreira, que data do início da década de 80. A prática eclética de Wurm incorpora escultura, performance, fotografia, vídeo e instalação.

CRONOLOGIA DO TRABALHO DE ERWIN WURM

Suas primeiras obras foram batizadas de One Minute Sculptures, e nelas o artista executa ou instrui pessoas a realizar diferentes ações ou interagir com objetos do cotidiano de maneira específica. Essas ações foram registradas através de fotografias, desenhos e vídeos, e se tornaram “esculturas efêmeras”. Nelas, Wurm desafia as qualidades formais do meio, bem como as fronteiras entre a performance e a vida cotidiana, o espectador e o participante, segundo o site Lehmann Maupin.

Enquanto na série One Minute Sculptures ele trabalha a ideia do corpo humano como escultura, em outros trabalhos ele distorce objetos cotidianos e sugere novas materialidades para os mesmos. Wurm “considera o ato físico de ganhar e perder peso um gesto escultural, e muitas vezes cria a ilusão de crescimento ou encolhimento corporal. Alguns exemplos são os Fat Cars, de 2001, e as Fat and Melting Houses, de 2003.

O austríaco também incentiva a participação do espectador em muitas de suas peças, como em Confessional, de 2003, que apresenta um objeto parecido com uma casinha de cachorro com aberturas laterais onde os espectadores são convidados a inserir a cabeça.

Já na série que apresenta obras como Big Gulp Lying, de 2010, ele exibe figuras humanas em diferentes posições dentro de peças de vestuário, criando silhuetas muito peculiares.

MATERIALIDADE E MOTIVAÇÕES DE ERWIN WURM

Seus trabalhos tridimensionais normalmente utilizam bronze, madeira, isopor, resina, tinta, cerâmica e tecido em sua composição.

A escultura de Erwin segue os princípios do crescimento e da transformação: “A mudança de volume é uma parte muito importante. Meu trabalho escultórico tem a intenção de deixar claro que, se eu adicionar ou remover volume, o significado da peça final pode mudar, disse ele para a Sleek Mag.

Diante da pluralidade de suas peças, ele afirmou em entrevista ao Designboom que o que todas têm em comum é “a ideia do corpo humano e sua relação com as preocupações esculturais. A série One Minute Forever, por exemplo, aborda ideias sobre tempo e permanência associadas à escultura, conclui. A One Minute Forever é uma série de 2019 que apresenta partes de corpos humanos fundidas com objetos cotidianos.

PROCESSO CRIATIVO DE ERWIN WURM

Em relação ao seu processo criativo, Erwin revela que, surpreendentemente, não possui um roteiro de trabalho, e que gosta de criar suas esculturas intuitivamente: “Eu acredito que é melhor ir aonde o material e as ideias me levam, em vez de seguir qualquer estratégia predeterminada”.

Seus trabalhos mais recentes, como os da série Dissolution, revelam uma grande tendência à abstração, e o escultor afirma que cada vez mais está interessado em “dissolver o realismo”.

Segundo Lehmann Maupin, na obra de Erwin “há sempre uma crítica social subjacente à cultura contemporânea, particularmente em resposta às influências capitalistas e às pressões sociais, que o artista vê como contrárias aos nossos ideais internos. Wurm enfatiza essa dicotomia explorando o que ele vê como uma realidade falsa e inventada”.

Acesse o site e siga o perfil de Erwin Wurm no instagram pra acompanhar o trabalho do artista.

Affonso atua como artista visual e ilustrador e tem dificuldade em ficar parado. Amante dos trabalhos manuais desde pequeno, ele se dedica ao bordado manual como expressão artística e acredita que com criatividade é possível transformar o espaço e as pessoas ao seu redor.

Affonso Malagutti – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários