Cultura pop, mangás, quadrinhos, animes, videogames. O trabalho do ilustrador e designer turco OliFux possui um estilo único. OliFux estudou Design na Universidade, mas conta que desde criança sempre pensou que as coisas poderiam funcionar de uma forma mais inteligente ao olhar para os objetos.

As aulas de desenho sempre foram as suas preferidas na escola. Ele também sempre curtiu muito ler grandes livros sobre história da arte e filosofia da arte. Cresceu observando muitos animes e inúmeros quadrinhos, incluindo os americanos e mangás. Foi então que pensou em praticar algumas técnicas de ilustração, mas não conseguia encontrar tempo suficiente para desenhar.

Depois de muito tempo parado, os personagens dos quadrinhos ressurgiram em sua vida. Foi aí que a paixão inicial voltou a fazer sentido. “Comecei a me apaixonar por desenhar personagens e não parei mais”. Hoje trabalhando como freelancer e morando em Istambul, na Turquia, OliFux transforma todas essas inspirações em ilustrações únicas. São traços que dão vida à personagens pop com características de mangá. O resultado final é sensacional! Confira entrevista exclusiva que fizemos com o artista:

MANGÁ, ANIME, ESTILO AMERICANO: OS TRAÇOS HíBRIDOS DE OLIFUX

FTC: Inspirações em mangás, cultura pop, quadrinhos, HQs. Como você deu início à esse estilo?

Como você sabe, existem várias escolas no desenho, mesmo que os estilos diferem dos outros, todos eles são fantásticos! O que quero dizer, é que o mangá, o estilo americano de quadrinhos e a ilustração podem parecer diferentes, mas ambos têm suas próprias escolas em termos de estilos. Então, eu segui e comecei a analisar as obras de Takeshi Obata, Eisaku Kubonouchi.

Eu também sou loucamente apaixonado por pela séries de jogos Persona que são criados pela arte de Mayoshi Suto, Shigenori Soejima, e para ser sincero, tenho jogado isso por longos anos. Eles influenciaram de forma direta como eu desenho e nas cores que uso.

Penso que a singularidade da minha arte é derivada da maneira como eu junto isso e a exibo para o mundo. Eu acredito que as ilustrações são significativas por causa das ideias que existem por trás. É isso o que eu também costumo descrever como “singularidade” na arte.

FTC: Como as cores influenciam o seu trabalho?

As cores são obrigatórias. Eu as uso para dar destaque e enfatizar detalhes. Como mencionei, as séries de jogos da Persona me influenciaram muito em termos de desenho e coloração. Percebi que adoro usar cores que chamam atenção e tem alta saturação.

Também fica divertido e lindo! É tipo um jogo para mim. Eu não sei sobre o futuro, bem … eeeermmm … quem sabe, talvez eu possa melhorar essa questão cada vez mais! Talvez alcance outro estilo de cor, mas, agora, estou concentrado em me divertir enquanto uso os diferentes tons!

FTC: Com o que você se inspira?

Para ilustrar, com tudo o que vejo ou ouço. Filmes, música, quadrinhos, mangá e anime são a minha maior base, além do humor local e global. Bem, eu também noto que mesmo uma palavra pode mudar toda a ficção sobre uma arte. Por causa disso, um artista também deve ler muito e procurar algo novo para se inspirar.

Quando você está aberto em todos os sentidos, pronto para criar algo, a inspiração irá buscá-lo e encontrá-lo. Impossível dizer qual a química disso, mas você pode ter certeza que vai acontecer. É assim que as inspirações vem.

FTC: Como você descreveria o seu tipo de traço e estilo?

Tudo o que sei sobre minhas linhas e meu trabalho é que estou me divertindo muito ao fazer tudo isso. E isso é o mais importante. Eu sempre quero que eles pareçam legais, mas não gosto que me botem pressão para fazê-los parecer assim. Adoro usar linhas fluídas, definidas e simples para minhas obras. É assim que meu estilo funciona.

Eu gosto muito de gatos e alguns dos meus amigos me disseram que ao olhar para as minhas ilustrações eles se sentem como se estivessem olhando para um gato. Então, essa seria uma descrição simples da minha arte?! Felina? Eu ri muito.

FTC: Você tem algumas ilustrações que misturam personagens famosos com tecnologias e jogos. Como surgiu a ideia?

Adoro misturar as coisas, pode parecer irrelevante à primeira vista, mas mesclando as ideias e as inspirações em harmonia, os resultados geralmente não são ruins, pelo menos para mim. Às vezes, antes de começar a desenhar, planejo na minha mente, ou então, simplesmente pego minha caneta e começo a esboçar aleatoriamente, daí vejo algo profundo dentro das linhas, depois movo esta imagem e adiciono as linhas necessárias.

Geralmente, quando eu tenho algo em minha cabeça, eu começo a desenhar, o que pode terminar com uma composição muito diferente. É quando o desenho hipnotiza e influencia você. Às vezes, as linhas assumem o meu controle.

FTC: E agora, o que vem pela frente?

Está aí uma pergunta que sempre me faço. Meu sonho é lançar um livro de quadrinhos em que eu também escreva a história e que esteja ao alcance das pessoas de todo o mundo. Bem, é apenas um sonho agora, mas estou certo de que farei mais coisas no futuro e continuarei fazendo tudo pelo que sou apaixonado.

Acompanhe o trabalho de OliFux no Twitter, Facebook, Instagram e no site Art Station.

Carol T. Moré é editora do FTC. Internet, café, todo tipo de arte, viagens e pequenos detalhes da vida a fazem feliz. Acredita que boas histórias e inspirações transformadas em pixels conectam pessoas.

Carol T. Moré – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:
Comentários