Tammy Kanat é uma artista têxtil que vive e trabalha na cidade de Melbourne, na Austrália, e se dedica a traduzir as paisagens do seu país através de grandes tapeçarias em formatos orgânicos que dispõe de uma bela cartela de cores.

A australiana passou a se interessar pela tapeçaria em um momento curioso. Em entrevista para a Material Soul, ela revelou que estava decorando sua casa e precisava de uma peça têxtil para uma de suas paredes. Após muito pesquisar, ela não encontrou nenhum item que a agradasse e decidiu que poderia confeccionar sua própria peça.

E então, no ano de 2011, ela se matriculou no Australian Tapestry Workshop, um centro internacional de excelência de tecelagem. Conhecido como ATW, ele é o único espaço desse tipo na Austrália e um dos poucos no mundo dedicado à produção de tapeçarias tecidas à mão.

Após 12 anos atuando como designer de joias, Tammy abandonou a profissão e passou a se dedicar exclusivamente à aprendizagem e aperfeiçoamento das suas habilidades na tecelagem manual.

MATERIAIS E FERRAMENTAS DE TRABALHO

A artista utiliza fios artesanais e diferentes tipos de lãs, juntamente com grandes aros de madeira com formas irregulares para interpretar elementos naturais que podem se assemelhar a vegetações, pedras e diferentes matérias encontradas na natureza.

Além disso, existe uma preocupação em se manter sustentável durante o processo: Reciclar e fibras é sempre uma alta prioridade no meu trabalho. Meu estúdio é coberto de material! Muitas vezes encontro o que estou procurando no chão. A reciclagem aumenta o processo criativo à medida que você usa o que tem disponível, o que faz você ultrapassar os limites, diz Tammy Kanat.

Ela também desenvolve outros projetos que fazem o uso de teares na construção de suas tapeçarias manuais: Novas formas, texturas, materiais e cores são todas as áreas que eu gostaria de continuar a explorar e desenvolver, ressalta.

CORES E TÉCNICAS

As cores são um elemento focal na sua obra: “A cor é uma parte essencial do meu trabalho. Brincar com tons diferentes e com formas imperfeitas é muito importante para o meu trabalho parecer orgânico e não artificial, experimentando métodos que resultam em texturas diferentes, criando uma escultura tecida, complementa.

Um fato interessante sobre sua produção é que Kanat resgata técnicas pouco utilizadas e que estão próximas de desaparecer para aplicar em suas peças. “Eu acredito que tecelagem é uma forma de arte em constante evolução e atemporal, e uma forma encantadora de compartilhar o que me rodeia, revelou para o My Modern Met.

No ano de 2014 ela abriu sua primeira exposição solo. Intitulada ‘The Spirit’, a mostra exibiu artes de parede tecida à mão, vasos e esculturas que consolidaram a tecelã como uma artista têxtil.

PROCESSO CRIATIVO

O processo criativo da australiana é intuitivo, sem previsão do possível resultado: “O processo de tecelagem é semelhante à meditação. Eu me perco no ritmo do meu trabalho. Isso limpa minha mente, diminui a respiração e faz meu coração ficar calmo. Observar a peça evoluir e crescer no tear é muito gratificante.

Tammy acredita no potencial de trazer novas ideias à arte têxtil contemporânea. “Acredito que experimentar é a melhor maneira de descobrir novas metodologias. Não acredito que a tecelagem tenha técnicas erradas, elas são apenas resultados diferentes. Novamente, há uma liberdade na tecelagem, e você pode explorar essa forma de arte sabendo que não erros, ela diz.

A tecelã ainda complementa que a maior qualidade do seu trabalho é gerar identificação com o expectador: Não se trata da metodologia perfeita ou dos materiais mais caros. É a capacidade de mover ou tocar alguém”.

 

ENSINO DA TÉCNICA

Além de confeccionar suas peças, a tecelã também ensina o ofício através de oficinas e workshops, e conta que é gratificante gerar o sentimento de felicidade e satisfação nas pessoas ao concluírem uma peça: “Elas conseguem explorar uma parte de si mesmos que nunca souberam que tinham”.

Seu processo de ensino segue a organicidade do seu trabalho, e ela acredita que todo mundo é criativo, e que ter a mente aberta para experimentar as possibilidades é a única experiência necessária para começar a prática manual.

Questionada pela Color me Quirky sobre qual conselho daria para artistas iniciantes, ela afirma: “Eu diria a qualquer artista que não perca o contato com o motivo de você ter embarcado originalmente em sua jornada artística. É ótimo que outras pessoas possam apreciá-lo, mas no fundo seu melhor trabalho é quando você permanece fiel a si mesmo”.

Pra acompanhar os projetos futuros de Tammy Kanat, acesse o site e o perfil da artista no Instagram.

Affonso é arquiteto e urbanista e tem dificuldade em ficar parado. Amante dos trabalhos manuais desde pequeno, criou sua loja online, a Caixote dos Milagres, em 2015. Por lá ele comercializa bordados que confecciona a partir de suas próprias ilustrações. Affonso adora artes, decoração e qualquer projeto de “faça-você-mesmo”. Acredita que com criatividade é possível transformar o espaço e as pessoas ao seu redor.

Affonso Malagutti – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários