Videoclipes, comerciais, animações, filmes. Como tudo é feito? Cadê o por trás das câmeras dessas produções antes delas irem ao ar? Muitas vezes a gente nem imagina o trabalhão que um clipe de música ou um vídeo no YouTube dá, por exemplo. É pura mistura de tecnologia, arte e design. E a boa notícia é que esse mercado não para de crescer.

Para mostrar como são os bastidores de uma produção de efeito visual em comercial e videoclipe, e como esta técnica é utilizada para que produtos e marcas possam se diferenciar, conversamos com Miguel Lessa, sócio-diretor do Estúdio BL3ND, produtora carioca especializada em efeitos visuais, animação e composição. 

Miguel separou algumas dicas bacanas para quem se interessa pelo assunto, está querendo trabalhar ou começar a estudar o tema. Confira:

FTC: Primeiro, como surgiu a ideia de trabalhar com isso e da Bl3nd? 

Miguel: A Bl3nd surgiu da vontade de seus dois sócios fundadores em formar um espaço com o foco em design (nossa formação, onde nos conhecemos em 1998 na faculdade) e arte digital (numa época em que o digital ainda estava muito no começo). A Bl3nd, aberta em 2012 já com o novo sócio Felipe Rebelo, é a segunda e melhor estruturada versão dessa visão original. Nos especializamos em Efeitos Visuais por ser um campo que mescla os limites entre o real e o digital, e estamos sempre procurando novos desafios com a tecnologia disponível.

FTC: No portfólio de vocês, há grandes clientes como Burger King, Coca Cola, Banco do Brasil. Vocês tem alguma dica para quem quer começar a trabalhar com Motion Design, Efeitos Visuais e Animação 3D?

Miguel: Não importa o tamanho do cliente, sempre busque fazer um trabalho que vá se destacar pela criatividade, talento e acabamento. Uma vez tendo isso no seu portfólio, os grandes clientes aparecerão.

FTC: Miguel, onde a gente pode procurar boas influências e referências para se inspirar nestes trabalhos?

A internet é o melhor lugar para isso, existem vários sites especializados que deixo abaixo. Mas o que posso dizer como importante é que é muito comum se perder em referências e elementos visuais que são puramente digitais e desconectados completamente da realidade. O efeito visual convincente não basta ser bonito, ele tem que ter peso, reações e consequências semelhantes ao que aconteceria no mundo real. A melhor influência é procurar diretamente na realidade e tocando os objetos em questão.

Sites que eu recomendo: Motionographer – Behance – CGSociety – 10.000h – IdeaFixa – Pinterest.

FTC: Pode citar um grande vídeo que possui efeitos visuais incríveis e que o público não percebe? 

Um trabalho que pouca gente percebe a quantidade de efeitos que teve foi a chamada de vendas para o Rock In Rio 2017. O filme foi quase todo feito em tela verde, e os cenários do servidores foram criados digitalmente. Apenas um painel ao lado dele foi cenográfico. Além disso, todos os motions dos hologramas foram feitos de um jeito super customizável, para que a agência pudesse até o último momento trocar e substituir os nomes e datas dos artistas, que ainda não estavam todos decididos no momento da produção. É possível ver o Making of aqui.

FTC: Qual foi a peça publicitária mais difícil de trabalhar os efeitos visuais, mas que deu um resultado incrível? 

Acho que um dos maiores desafios que tivemos foi um comercial aparentemente simples da marca de pescados Coqueiro. O comercial tinha como efeito a inserção de um rabo de sereia em 3D, bem como o uso de efeitos para pescar eletrodomésticos do fundo do mar. As condições de filmagem foram desafiadoras (foi tudo filmado num barco, sem estúdio), e o clima na locação não favorecia a fotografia solar e cristalino que o cliente desejava. No fim, tudo deu certo, mas várias coisas tiveram que ser improvisadas. O resultado é mais um filme onde é difícil de perceber a presença dos efeitos. Tem também o Making of aqui.

FTC: O que um efeito visual precisa proporcionar ao público?

Precisa ser verosímil. É o mais importante. Se o efeito chama a atenção e não convence ele se torna *defeito* visual. 🙂

FTC: Como é o trabalho de criação e desenvolvimento de um efeito visual?

É um trabalho meticuloso, que pode envolver semanas de pré-produção a procura de referências, pesquisa, decisões de enquadramentos e custos. Hoje em dia é lugar comum achar que a computação gráfica pode fazer qualquer coisa se tornar realidade. Mas ainda temos que nos adaptar às restrições orçamentárias e de cronograma nas produções nacionais.

Carol T. Moré é editora do FTC. Internet, café, todo tipo de arte, viagens e pequenos detalhes da vida a fazem feliz. Acredita que boas histórias e inspirações transformadas em pixels conectam pessoas.

Carol T. Moré – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:
Comentários