Empresa tem como foco ajudar refugiados na Grécia por meio de trabalho voluntário 

Dizem que o mundo é a melhor escola que podemos ter. E é exatamente assim que uma jovem de 19 anos está aprendendo, ajudando refugiados pelo mundo. Essa parte da história de Gabriela Shapazian começou em uma viagem para a Grécia, aos 15 anos. Ela e sua mãe, Kety, ficaram 45 dias em Lesbos, ajudando a receber os refugiados que conseguiram chegar até a ilha nas arriscadas travessias de barco para entrar na Europa.

Em fevereiro de 2016, após retornarem para o Brasil, Gabriela não conseguia esquecer tudo que tinha vivido e não se encaixava mais na sua rotina antiga. A jovem queria voltar para a Grécia e assim aconteceu nas férias seguintes, após concluir o último ano do Ensino Médio.

Hoje ela dá aulas de inglês para adultos e crianças que recebem apoio de ONG’s na ilha.

Os voluntários também ajudam em atividades que possam ocupar o tempo dos refugiados e ajudá-los de alguma forma a lidar com tantas dificuldades. Kety conta que a situação dos campos para onde as pessoas são levadas é extremamente precária e muitas enfrentam doenças como depressão. Por meio das ONG’s, por exemplo, os refugiados podem ter acesso a hortas para cultivarem.

Para ajudar nas despesas da filha, a mãe criou uma empresa de arranjos de flores, chamada Flores para os Refugiados. A ideia surgiu a partir de um chá de bebê que aconteceu em sua casa, para ajudar um casal de refugiados sírios. Com a ajuda de alguns amigos, Kety preparou um enxoval para a moça. Na ocasião, uma das convidadas chegou com um arranjo de flores que encantou Kety. Foi assim que ela decidiu com o que iria trabalhar.

FLORES PARA OS REFUGIADOS

O Flores para os Refugiados é uma empresa familiar, onde trabalham Kety, sua mãe e irmã. O lucro é voltado para o sustento das mulheres e uma quantia é reservada para Gabriela, que usa sua parte do dinheiro para as suas despesas e viagens. Além das moças, há um motorista que ajuda nas entregas e recentemente o ateliê contratou para a loja seu primeiro funcionário para ajudar nos arranjos.

“Minha vida hoje é essa empresa. Eu sou uma empreendedora, estou fazendo uma empresa virar um negócio de sucesso”, diz Kety. 100% de seu tempo está dedicado a empresa. Entre os serviços oferecidos estão arranjos avulsos, pacotes de assinatura e decoração para eventos, todos com flores naturais.

Em tempos digitais, Kety diz que o Instagram é uma ferramenta que ajuda muito na divulgação do ateliê, mas algo bacana é que os arranjos estão sendo espontaneamente  reconhecidos pelas pessoas na rua, por serem tão característicos.

O novo ateliê, foi inaugurado em agosto de 2019, onde serão promovidos workshops e venda de plantas. Além do ateliê, Kety também está trabalhando na concepção da Casa Gabriela, um espaço pensado para encontros e eventos. Inclusive, a casa já tem o seu primeiro casamento agendado para 2020. Todo o cardápio do evento será preparado por uma refugiada da Síria.

O grande sonho de Kety para o futuro é ver refugiados e brasileiros trabalhando juntos no ateliê e na Casa Gabriela. Ela deseja empregar cada vez mais refugiados e brasileiros, dar oportunidades e juntar dinheiro suficiente para que a filha possa futuramente investir em um projeto específico, como a criação de uma escola ou espaço de acolhimento.

O principal objetivo do Flores para os Refugiados é ajudar a Gabriela e prover recursos para seu trabalho humanitário. Além da Grécia, a jovem viaja para outros lugares do mundo para visitar amigos que conseguiram asilo em diferentes países. Kety conta que a filha tem aprendido muito ao ter contato com diversas culturas e convida as pessoas a se dedicarem a uma causa, seja pela natureza, pelos animais, pelas pessoas. “Se cada um abraçasse uma causa, poderia ajudar muita gente. Nós escolhemos ajudar refugiados em um lugar específico”, finaliza.

Kety vende flores, enquanto Gabriela é voluntária internacional. O projeto traz buquês, arranjos, assinaturas, eventos para atingir o objetivo 

Gostou? O ateliê fica na Rua Professor Nova Gomes, 84 – Alto de Pinheiros, São Paulo. Acompanhe também o projeto Flores para os Refugiados pelo Instagram.

Mariana é jornalista e comunicadora. Adora descobrir novos lugares, explorar a cidade a pé e andar sem pressa. Se interessa por viagem, cultura e tudo o que é novidade.

Mariana – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários