O Sounds of the Forest é um mapa sonoro interativo e colaborativo que convida as pessoas de todas as regiões do mundo a enviar gravações de suas florestas. Os sons formam uma biblioteca de código aberto, que pode ser usada gratuitamente para ouvir e criar.

O projeto tem a intenção de demonstrar como os ecossistemas podem reproduzir sons e ruídos completamente distintos. Também é possível ouvir diferentes animais e pássaros nos áudios, que em sua maioria incluem um pequeno relato de quem o postou e a data de gravação. Dessa forma, segundo o My Modern Met, elas representam não só um compartilhamento de som, mas também de memórias daquele espaço.

O mapa já coletou arquivos de áudio de seis continentes. O oeste europeu e a América do Norte são as regiões com mais gravações disponíveis. O Brasil também faz parte do mapa sonoro, e nele é possível ouvir gravações da Floresta Amazônica e de rios e reservas biológicas nos estados de São Paulo, Espírito Santo, Pará, Rio Grande do Sul e Paraná, por exemplo.

A duração dos áudios pode variar de alguns segundos até uma hora, e são suficientes pra explorarmos as diferentes nuances da natureza ao redor do mundo.

 

UMA INICIATIVA DO TIMBER FESTIVAL

O Sounds of the Forest é uma iniciativa criada pelo Timber Festival, um festival de música, arte e performance que é realizado anualmente na Floresta Nacional em Feanedock, na Inglaterra. O evento tem o propósito de celebrar a conexão com as árvores e bosques através da arte.

A edição de 2020 foi adiada por conta dos protocolos de prevenção à COVID-19, e então os organizadores lançaram o Sounds of the Forest com a intenção de unir os amantes da natureza do mundo todo: “Quando a pandemia frustrou os planos para um festival presencial em 2020, os organizadores conceberam os arquivos de som como uma forma de reunir o mundo em uma reunião virtual na floresta”, segundo o Open Culture.

Os artistas selecionados pelo Timber Festival vão criar músicas, áudios ou qualquer outra manifestação artística a partir dos sons reunidos, que serão apresentados na edição de 2021 do evento, que está prevista para ser realizada presencialmente entre os dias 2 e 4 de julho.

FLORESTA NACIONAL DO REINO UNIDO

O Timber Festival é realizado na Floresta Nacional da Inglaterra, e é um projeto de regeneração ambiental. A proposta de criação da floresta surgiu do objetivo de pensar no desenvolvimento sustentável da região, que até 25 anos atrás teve suas paisagens marcadas por séculos de mineração de carvão e outras indústrias.

Em 1987, um grupo local foi pioneiro no conceito da Floresta Nacional, ao trazer todos os benefícios das árvores e bosques para perto de onde as pessoas vivem e trabalham.

Eles fizeram um concurso para escolher o local daquela que seria a primeira grande floresta a ser criada na Inglaterra nos últimos mil anos. O projeto começou a ser colocado em prática em 1990, e cinco anos depois já contava com 525 mil árvores plantadas.

A área escolhida havia sofrido muito com o fechamento das indústrias de carvão e argila em meados dos anos 80, e a paisagem da área central necessitava de regeneração.

A paisagem se transformou até se tornar o que é hoje, uma floresta de habitat variado, com uma área em torno de 518m². Ela se tornou o grande “pulmão verde” que deu vida à paisagem e transformou a vida das comunidades ao redor, segundo o The National Forest.

Os agricultores da região passaram a se dedicar aos estudos de regeneração natural e artificial de florestas, e as crianças passaram a usufruir de escolas florestais. Atualmente, em torno de 8,9 milhões de árvores já foram plantadas na região e a Floresta Nacional é reconhecida como um dos maiores projetos de regeneração do país.

Se você também quiser ouvir ou enviar seus próprios sons de florestas, visite o site do Sounds of the Forest. Lá também é possível encontrar informações sobre como gravar os áudios com o seu celular caso você queira contribuir com o projeto.

Affonso atua como artista visual e ilustrador e tem dificuldade em ficar parado. Amante dos trabalhos manuais desde pequeno, ele se dedica ao bordado manual como expressão artística e acredita que com criatividade é possível transformar o espaço e as pessoas ao seu redor.

Affonso Malagutti – já escreveu posts no FTCMAG.



Comentários