Rafaela Chor é mulher, lésbica, atriz, poeta, artista plástica e também gosta de trabalhar com a música. Autora e ilustradora do livro A Poesia Carnal da Mulher, usa a arte como refúgio desde que se entende por gente. Começou a escrever canções aos sete anos que logo tomaram formato de poesias. Na faculdade de Artes Cênicas descobriu seu fascínio pelo corpo humano e entrou em contato com mulheres que a inspiraram a realizar performances e obras voltadas para o empoderamento do corpo feminino.

Rafaela sempre teve o costume de escrever desde muito cedo, sempre compôs canções e poesias que guardava num caderninho que seu avô havia dado a ela e seus irmãos justamente para incentivar a escrita. Quando entrou no mundo das artes cênicas que teve seu primeiro contato com o feminismo. Conheceu professoras, estudantes, atrizes e diretoras incríveis que a inspiraram a escrever mais sobre este universo e sobre o que a mulher é capaz.

“Comecei a perceber as injustiças que antes me eram tão naturais e não pude deixar de fazer algo para tentar realizar alguma diferença. Comecei a desenhar há pouco tempo e pra mim, o desenho e a pintura são coisas ritualísticas”.

A artista não consegue desenhar ou pintar quando quer, conta que sua arte é algo que vem dessas inspirações femininas e que permite que seu corpo siga a intuição de expressar isso de maneira artística, seja com caneta, tinta, instrumentos musicais ou palavras. A multiartista lançou um livro em que traz um pouco desse trabalho, pinta quadros e retratos sensíveis e ainda possui um projeto incrível em que visa reconhecer o trabalho de mulheres invisibilizadas. Confira entrevista:

ENTREVISTA COM RAFAELA CHOR

 

FTC: Rafa, há quanto tempo cria e quais materiais utiliza?

Rafaela Chor: Atualmente, utilizo mais a escrita. Às vezes as ideias me vêm do nada e o bloco de notas do meu celular fica cheio delas. Trabalho muito com canetas bem finas, pois elas me permitem fazer um traço com uma pegada de rascunho que eu adoro. Utilizo também a arte digital, mas para artes mais objetivas.

Tenho contato muito grande com a música e aprendi a tocar alguns instrumentos desde muito cedo. Componho até hoje e ainda pretendo gravar minhas canções num álbum.

FTC: Está tocando algum projeto específico atualmente?

Rafaela Chor: Atualmente trabalho vendendo meu livro A Poesia Carnal da Mulher nas ruas de São Paulo e em feiras culturais. Também criei com a multiartista Samara Shikota, um projeto chamado “O Trampo Delas“. Nós criamos redes sociais para divulgar o trabalho de mulheres do Brasil inteiro e de várias áreas de atuação, não só artística. Pretendemos realizar eventos para reunir tais mulheres de cada região para que tenham chance maior de participar mais ativamente do mercado de trabalho.

FTC: O que é arte para você e como você definiria a sua arte?

Rafaela Chor: É difícil definir o que é arte mas acho que para mim, a arte precisa comunicar alguma coisa. Se você quer passar algo para o público, existem milhares de maneiras artísticas de se expressar e é isso que eu acho mais bonito sobre o meio artístico, ninguém nunca criará algo igual a você. Não gosto de rotular meu trabalho, mas diria que ele visa sempre empoderar o universo feminino de alguma forma. Vejo meu trabalho como uma ferramenta para que algumas mulheres entrem em contato com o feminismo e percebam que elas têm voz própria e que não deveriam ter medo de usá-la.

FTC: Através da sua arte, o que deseja passar para o público?

Rafaela Chor: Quero dizer que nós, mulheres, temos mais força do que imaginamos e que precisamos nos unir para tentar ocupar todos os espaços. Seja na sala de aula, no escritório, no ateliê, na quadra de esportes ou no laboratório, nós merecemos ser respeitadas e nossas ideias precisam ser ouvidas.

FTC: Com o que você se inspira?

Rafaela Chor: Me inspiro muito vendo mulheres quebrando padrões, enxergando machismo, homofobia e racismo onde antes eu não conseguia ver. A música é algo muito forte para mim e posso dizer que sem dúvidas, não teria escrito meu livro sem influência da Ekena, Liniker, Bia Ferreira, a banda Mulamba, entre outras.

FTC: E agora, o que vem pela frente?

Rafaela Chor: Além de continuar com a venda dos livros, espero conseguir entrar em contato com jovens em escolas para conversar sobre a importância do feminismo e da arte como meio de expressão.

O Trampo Delas” está crescendo e aos poucos mais mulheres têm nos procurado com o intuito de fazer parte desse projeto que criamos. A ideia é continuar com esse trabalho e ajudar o máximo de mulheres possível, para que elas consigam ganhar mais visibilidade no mercado.

Acompanhe Rafaela Chor no Instagram. Compre seu livro A Poesia Carnal da Mulher aqui.

Carol T. Moré é editora do FTC. Internet, café, todo tipo de arte, viagens e pequenos detalhes da vida a fazem feliz. Acredita que boas histórias e inspirações transformadas em pixels conectam pessoas.

Carol T. Moré – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários