Como designers podem interferir nos meios produtivos? Quais campanhas, serviços, espaços, projetos podem ajudar a melhorar a vida das pessoas que fazem do lixo seu ganha-pão? Como contribuir para um melhor saneamento básico, limpeza urbana, coleta seletiva, educação ambiental e + nas comunidades de baixa renda?

“ ‘Em muitos aspectos, o desperdício é o problema de design final, explica Richard Van Der Laken, diretor criativo do What Design Can Do. ‘Por muitas décadas, a indústria do design contribuiu para um sistema extrativo, poluente e linear. Este sistema é movido pelo consumismo, outra área na qual o design – com seu poder de sedução – tem grande responsabilidade.‘ A WDCD visa resolver um dos problemas mais urgentes do nosso tempo – o desperdício – por meio do desafio do não desperdício. A competição global de design convoca os criativos – arquitetos, designers e empresários – para apresentar soluções novas, significativas, para reduzir e redesenhar a maneira como extraímos, produzimos e consumimos os recursos. Os designs vencedores recebem um amplo apoio, incluindo €10.000 euros em financiamento para entrar em um programa de desenvolvimento feito sob medida e transformar sua ideia em realidade.

CENÁRIO ATUAL

Nosso planeta está afogando. A cada ano despejamos 2,12 bilhões de toneladas de resíduos em todo o mundo, e esse número deve aumentar 70% até 2050 se nada for feito. A raiz do problema, tendo em vista o que o design pode fazer, é o nosso modelo econômico atual, que se baseia em uma abordagem de’ levar e desperdiçar ‘. As matérias-primas são extraídas, transformadas em produtos e, em seguida, descartadas após o uso. Isso tem um impacto desastroso no meio ambiente, causando perda de biodiversidade e acelerando o aquecimento global e muito, muito mais. Estamos caminhando para uma crise climática – se já não estamos em uma.

Designers estão em uma posição única para mudar como as coisas são feitas e de que são feitas. A crise do COVID-19 proporcionou-nos uma oportunidade sem precedentes para o fazer e para abrir portas a novas ideias, produtos, sistemas e serviços radicais” lembra Van Der Laken. “Um número crescente de criativos já assumiu um papel ativo na transição para a economia circular, experimentando materiais e processos, aumentando a conscientização e inspirando novas narrativas vitais sobre o desperdício como recurso. agora, mais do que nunca, a comunidade de design deve assumir o controle e liderar.”

Embora o design sempre tenha sido parte do problema, ele também pode ser parte da solução. O desafio do não desperdício implora que os designers façam melhor. Devemos agir rápido se quisermos construir um futuro que funcione de maneira saudável para as pessoas e para o planeta. Embora soluções de longo prazo para redesenhar todo o sistema sejam continuamente exploradas, também precisamos urgentemente de um impacto imediato para reduzir, reutilizar e reciclar. Por isso, a competição global busca soluções orientadas ao design em várias escalas. Essas propostas empolgantes, viáveis ​​e escaláveis ​​devem responder a pelo menos um dos três resumos e explorar maneiras de usar menos, fazer melhor e lidar com mais inteligência.

COMO PARTICIPAR DO WHAT DESIGN CAN DO 2021?

As melhores soluções costumam estar enraizadas em contextos locais. Os candidatos podem enviar suas propostas em uma missão global ou em trilhas individuais nas seguintes cidades: Amsterdam, Delhi, Cidade do México, Nairóbi, São Paulo, Rio de Janeiro e Tóquio. Os locais específicos foram escolhidos juntamente com a estreita colaboração em pesquisa e desenvolvimento com parceiros locais do projeto.

Um júri dos principais especialistas em design e ação climática analisará as inscrições e selecionará os vencedores em julho de 2021. Os premiados participam de um programa de desenvolvimento global, com uma série de sessões de treinamento e ferramentas focadas nas habilidades de que precisam para tornar seus projetos um sucesso, desde a construção de uma cadeia de suprimentos até a formação de equipes e organização. Além disso, cada vencedor recebe um fundo de €10.000 euros para investir no desenvolvimento de sua proposta.

Inspirado em construir um futuro melhor? O desafio do What Design Can Do está aberto até 20 de abril de 2021. Saiba mais sobre o tema sem desperdício, leia os briefs e envie seu projeto online, aqui.

Carol T. Moré é editora do FTC. Internet, café, todo tipo de arte, viagens e pequenos detalhes da vida a fazem feliz. Acredita que boas histórias e inspirações transformadas em pixels conectam pessoas.

Carol T. Moré – já escreveu posts no FTCMAG.



Comentários