Se estivéssemos em uma cidade do interior do estado, o podcast “Arquitetura de Boteco” seria como a praça, também conhecida como o ponto de encontro dessas cidades onde as pessoas trocam ideias, discutem, descansam e se divertem. Sorte a nossa você não precisa nem se preocupar em fazer as malas ou colocar calças para sair, porque essa conversa descontraída e cheia de bons conteúdos acontece no dia e horário que você quiser, tudo online. E, claro, a dupla que faz o podcast, Helena Tourinho e Vinícius Lopacinski, estará lá para te fazer companhia e garantir seu divertimento o tempo todo.

No Podcast, Helena e Vinícius falam de arquitetura como falam de tudo: sem muita pretensão ou embasamento. Confira o episódio mais recente de quando essa matéria foi escrita:

Entrevistamos a Helena e o Vinícius e deixamos o TOP 10 no final desta página que a dupla indica para você que ainda não conhece o podcast.

POR QUE OUVIR ARQUITETURA DE BOTECO?

Você precisa desse podcast porque eles conseguem transformar a discussão de arquitetura, geralmente acompanhada de uma disputa de “quem tem mais referências e citar sobrenomes mais difíceis, ganha” em uma casual (mas muito produtiva) conversa entre amigos. Acompanhe também pela página no instagram @arq.boteco e veja as imagens referenciadas nos episódios. Vamos ouví-los?

FTC: Quais eram os objetivos de vocês lá no começo?

ARQ BOTECO: Em 2015, trabalhávamos no mesmo escritório em Brasília. E era bem comum o nosso horário de almoço virar um grande debate, informal e diverso. Em seguida, nos mudamos para São Paulo e sempre nos encontrávamos para um boteco ou um café. Quando resolvemos fazer o podcast, o principal objetivo era (e continua sendo) nos manter atualizados sobre temas da arquitetura, mas sem a pompa acadêmica ou profissional. Nossos primeiros ouvintes gostaram da nossa abordagem e linguagem, mais acessível e descontraída. Hoje mantemos esse “estilo” como mandatório, porque queremos dialogar com todes.

FTC: Vocês sempre tem muitas referências na hora de falar, como é o processo de gravação de vocês?

ARQ BOTECO: É um semi-improviso. Definimos um tema, e talvez essa seja a nossa maior dificuldade. Afinal, a vida é longa e a pauta é curta. Mas depois de bater cabeça, escolhemos o tema que pode vir de indicações dos nossos ouvintes, interesses pessoais ou um acontecimento, notícia, etc. Então discutimos muito rapidamente para ver se o assunto dá caldo. Aí, cada um vai pra casa, e faz o dever… de casa.

É legal que tentamos não falar muito sobre o assunto até a gravação, para que cada um escolha seu viés na pesquisa. No dia da gravação, aquecemos o papo, conversamos sobre o que cada um levantou e pesquisou e gravamos. As referências vêm desse estudo prévio, mas principalmente da vida, dos nossos interesses pessoais, com as conexões acontecendo e nem sempre sabemos onde vamos parar. É a prova que conhecimento e informações vêm de todos os lados, de onde menos esperamos.

FTC: Vocês acham que professores (as) deveriam unir conteúdos de vídeos, podcasts e outras mídias na sala de aula?

ARQ BOTECO: Nossa, sim! Entendemos que cada estudante tem seu próprio método de aprendizado, e a aula puramente expositiva – aquela “palestrinha” do professor – não funciona para todo mundo. Para privilegiar o maior número de estudantes, seria necessário usar a maior quantidade e diversidade de suportes possíveis. E por acharmos que as matérias acabam sempre se misturando na vida real, é importante entender que podemos aprender com filmes, músicas, podcasts, livros de literatura ou exposições de arte. Está tudo junto!

“Para privilegiar o maior número de estudantes, seria necessário usar a maior quantidade e diversidade de suportes possíveis. E por acharmos que as matérias acabam sempre se misturando na vida real, é importante entender que podemos aprender com filmes, músicas, livros de literatura, exposições de arte.” – Helena Tourinho e Vinícius Lopacinski

FTC: Se vocês pudessem entrevistar qualquer pessoa do mundo (live or dead), quem seria?

ARQ BOTECO: Golpe baixo isso, hein! A pandemia nos deixa com o emocional daquele jeito. Ainda está difícil acreditar que Paulinho (Paulo Mendes da Rocha , 25/10/1968 – 23/05/2021) não está mais tomando seu solzinho na varanda do seu apartamento, e que nosso sonho de sentar com ele num barzinho já não pode mais se realizar. Então achamos que ele seria o primeiro candidato. Apesar de que teríamos um empate técnico com o Lélé (João da Gama Filgueiras Lima, 10/01/1932 – 21/05/2014) . Sempre que possível, falamos deles, somos um fã-clube real. No entanto, a verdade é que a lista é enorme, confusa e nebulosa e varia muito com o passar dos dias ou dos acontecimentos.

lelé e paulo mendes da rocha arquitetos arquitetura arquitetura de botecoOs arquitetos que Helena e Vinícius gostariam de ter entrevistado: Lelé (esq) e Paulinho (dir).

FTC: O que vocês mais amam sobre fazer os podcasts?

ARQ BOTECO: Ficamos muito felizes com o feedback dos ouvintes, é muito bom saber que tem pessoas afim de ouvir o que temos para falar, e que aparentemente estamos fazendo um bom trabalho. A ajuda nas pautas é sempre bem-vinda, porque a cada dia que passa percebemos que a coletividade é a chave para as mudanças que queremos ver acontecendo. E tem outra coisa que amamos: a conversa. Seguimos com a ideia do começo, em 2015: o mais legal de fazer o podcast é o fazer, conversar, trocar referências, colocar a cabeça pra funcionar. Continuaríamos a gravar mesmo que tivéssemos só um ouvinte. Ou dois: a mãe de cada um. 

“O mais legal de fazer o podcast é o fazer, conversar, trocar referências, colocar a cabeça pra funcionar. Continuaríamos a gravar mesmo que tivéssemos só um ouvinte.” – Helena Tourinho e Vinícius Lopacinski

FTC: Teremos arquitetura de boteco ao vivo? Quais os planos para o futuro?

ARQ BOTECO: Seria tudo para nós ter o Arquitetura de Boteco ao vivo. É claro que também já sonhamos em sermos curadores da Bienal de Veneza, e a abertura seria gravada ao vivo como episódio. Mas voltando à realidade, e com a pandemia, estamos tentando focar no que é possível agora, sem fazer muitos planos. Tudo acabou tomando rumos que não eram os planejados. No entanto seria muito legal, imaginem só: todo mundo vacinado, aquele domingo quente que tudo que você quer é sentar em um boteco pra tomar uma gelada, e nós lá pra conversar, igual no podcast só que no boteco, real-oficial. Quem sabe?

FTC: Algum comentário adicional que vocês queiram fazer? Este espaço é livre.

ARQ BOTECO: Fora Bolsonaro!

Colagem via Arquitetura de Boteco: Vinícius e Helena em sobreposição à fotos originais de Le Corbusier e Lina Bo Bardi.

A seguir, confira o TOP 10 que a Helena e o Vinícius selecionaram para você se apaixonar e seguir ouvindo-os em clima de boteco:

 

E para finalizar, o FTC escolheu a saideira que fala sobre saudades – para você matar as saudades de ver o mundo lá fora, visto que no momento em que essa matéria foi escrita ainda estávamos em pandemia mundial da COVID-19 e ainda é necessário ficar em casa. Aproveite e fique com aquele gostinho de quero mais! Lembrando que você pode acompanhar o podcast também no instagram na página @arq.boteco<3!

Curtiu? Siga a FTC nas redes sociais @ftcmag e use a #ftcmag para nos marcar em conteúdos legais!

Tereza Ribeiro é estudante de Arquitetura e Urbanismo com muito prazer e está sempre procurando aprender mais sobre um pouco de tudo, principalmente sobre cenografia, criatividade, inovação, filosofia, negócios e novas formas de viver. Regida sob novos desafios e convivência constante com a arte.

Tereza Ribeiro – já escreveu posts no FTCMAG.



Comentários