O projeto de urbanismo tático tinha como princípio básico a apropriação da rua e a harmonia entre pedestres, ciclistas e motoristas

Muitas vezes, na correria do dia a dia, nós passamos por tantos lugares em nossas cidades, mas não paramos para realmente enxergá-los. Especialmente nas grandes capitais, que sofreram um crescimento desenfreado, são comuns problemas como trânsito, acidentes e falta de segurança para pedestres e ciclistas.

Aqui no Brasil já existem algumas iniciativas, como o SampaPé, Ladrilha e Coletivo Muda, que estimulam a apropriação da rua por parte da comunidade e motivam as pessoas a repensarem sua relação com ela. Muitos deles, não por acaso, usam a arte como forma de chamar atenção das pessoas para que observem o lugar a sua volta.

A falta de planejamento urbano aliada ao descomprometimento de autoridades pode levar ao abandono de lugares da cidade. Mas, felizmente, existem pessoas que se mobilizam para resgatar a vida dos espaços urbanos e colocam em prática intervenções – fruto de estudos – que transformam a sua dinâmica.

Foi isso que aconteceu na cidade de Providence, em Rhode Island, Estados Unidos. A ideia, ousada, era conectar nove bairros por meio de uma “trilha” de desenhos feita para ciclistas. Para isso, voluntários se juntaram para transformar as vias de Providence, pintando novas faixas e fortalecendo a sinalização para carros, bicicletas e pedestres.

Urbanismo tático na Broad Street em Providence. Imagem: Sam Goater

As ruas ganharam desenhos enormes e coloridos, com o intuito de comprovar que as cores e o trabalho em comunidade têm grande impacto na cena urbana. Esse projeto parte do princípio do urbanismo tático, que pretende justamente por intervenções, redesenhar uma paisagem urbana trazendo soluções para algum problema.

No caso da cidade norte-americana, as instalações atraíram atenção de muitas pessoas da comunidade e teve um impacto imediato no trânsito, contribuindo para a redução da velocidade dos automóveis e maior visibilidade entre o motorista, pedestres e ciclistas. Além dos desenhos de sinalização, foi montada também uma espécie de praça do pedestre, com mesas e cadeiras para as pessoas se sentarem.

Ao final de dois meses de experimentação, o projeto demonstrou que é possível que pedestres, ciclistas e motoristas convivam em harmonia, quando cada um respeita os limites do próprio espaço e reconhece o espaço do outro. E também demonstrou que uma comunidade pode se juntar para fazer o melhor por um bairro ou espaço da cidade.

Quanto mais vivenciamos a cidade, nos relacionamos e nos apropriamos dos espaços públicos, maior se torna nossa percepção de problemas que podem se tornam soluções. Ocupar a rua é estimular a troca de ideias em busca de harmonia, é viver menos entre muros e paredes e vivenciar mais trocas com pessoas.

Nós adoramos esse projeto! Que tal se inspirar, juntar uma galera e tentar fazer algo assim onde você mora? Pode começar por pequenos gestos, o que importa é dar o start e mudar a percepção de que a rua é só para carros. Confira abaixo, algumas outras inspirações pelos Estados Unidos!

URBANISMO TÁTICO

“Melhorar a habitabilidade das nossas vilas e cidades comumente começa na rua, quadra ou na escala de edifício. Embora os esforços de maior escala tenham o seu lugar, melhorias incrementais, de pequena escala, são cada vez mais vistas como uma maneira de encenar investimentos mais substanciais. Esta abordagem permite uma série de atores locais para testar novos conceitos antes de fazer compromissos políticos e financeiros substanciais. Às vezes sancionado, às vezes não, essas ações são comumente referidas como “urbanismo de guerrilha”, “urbanismo pop-up”, “reparo de cidade”, ou urbanismo “D.I.Y.” (Faça Você Mesmo).” – Tradução livre feita a partir do livro “Tactical Urbanism”, vol.2, por Mark Lydon

A cidade de Asheville ganhou quase três quilômetros de urbanismo tático em um só final de semana. O resultado é fantástico! 

Mais um pouco de cor para Miami Shores. Imagem: Joe Clark.

Urbanismo Tático em hexágonos em New Britain, Connecticut. 

Miami-Dade County ganhou um pouco mais de cor: os tons aumentam a segurança e mobilidade de pedestres e ciclistas, além de identificar vias e acesso ao transporte público com mais facilidade. 

Via/Via 

Mariana é jornalista e comunicadora. Adora descobrir novos lugares, explorar a cidade a pé e andar sem pressa. Se interessa por viagem, cultura e tudo o que é novidade. Escreve um blog sobre meio ambiente, sustentabilidade e consumo consciente. Também se dedica a cozinhar, como forma de prazer e arrisca novas receitas no tempo livre.

Mariana – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários