Now Reading
Em parceria com artesã, startup transforma 450kg de redes de pesca em produtos ecológicos

Em parceria com artesã, startup transforma 450kg de redes de pesca em produtos ecológicos

redes de pesca já fui uma rede de pesca

Nara Guichon é artista plástica, ambientalista e designer têxtil. Há mais de 40 anos desenvolve e fomenta a moda ética e sustentável em seu atelier, fundado em 1983 no sul da Ilha de Santa Catarina. Em 2014, Nara firmou uma parceria com a Positiv.a, empresa B que cria soluções ecológicas e socialmente responsáveis para cuidar da casa, do corpo e da natureza, para que esta se tornasse representante exclusivo de seus produtos, e de lá para cá, a parceria só trouxe resultados benéficos. Só em 2020, 450 quilos de redes de pesca foram retirados dos oceanos e se tornaram esfregões e saquinhos sustentáveis. 

FUI UMA REDE DE PESCA

80% do lixo que está nos oceanos já é plástico.  Saquinhos e sacolinhas plásticas vêm se acumulando no planeta há décadas. Por serem super leves, acabam não sendo reciclados como deveriam – e terminam em aterros, lixões ou até mesmo nos rios e mares, prejudicando os animais. A linha ‘Fui Uma Rede de Pesca’ surgiu com o objetivo de impedir que as redes furadas e inutilizadas por pescadores também terminassem no fundo do mar. 

As redes são compradas dos pescadores locais, higienizadas e costuradas uma a uma por artesãs da região. Além de gerar empregos e renda, é também uma forma de educar a população local sobre como cuidar da natureza. Os produtos feitos com o material (Poliamida – nylon – reutilizado) tem grande durabilidade. Os esfregões, por exemplo, duram aproximadamente 6 anos, dependendo da forma de uso. Os saquinhos tipo bolsas a granel são super resistentes e podem ter uma vida útil por muito tempo.

NARA GUICHON

A ideia surgiu em 1998, do desespero de Nara ao ver tanto lixo no mundo, fazendo-a transformar as redes de pesca em peças de vestuário, itens de decoração e esfregões de limpeza. Assim, ela viu uma oportunidade concreta de ajudar na preservação do meio ambiente.

Desde criança, a artesã sempre deu importância ao ecossistema. “Aos 10 anos de idade, eu ajudava a minha avó no jardim e via que ela queimava folhas. Pensava que aquilo estava errado, mas não sabia dizer o porquê, exatamente. Mas já havia uma veia intuitiva minha de cuidados ambientais ali”, lembra ela em entrevista.

TRANSFORMAÇÃO ECOLÓGICA

Após firmar a parceria com a Positiv.a, para que se tornasse representante exclusivo dos esfregões, a ideia se espalhou pelo país e até exterior. O projeto já vendeu 476,3 kg de produtos feitos a partir da rede de pesca reutilizada e a Nara e sua equipe reusam em média 2 toneladas de rede de pesca ao ano.

O esfregão durante o uso mantém a mesma gramatura, o que comprova que, neste período, não libera microplásticos. A sacola substitui as embalagens comuns de plástico e pode ser utilizada para fazer compras a granel, ou até como necessaire, porta acessórios ou até como separador de roupas em malas de viagem.

A Positiv.a pretende aumentar essa linha de produtos. Já no atelier de Nara, as redes de pesca também se transformam em colares, roupas e xales.

Scroll To Top