Em um esforço para reduzir o uso de plástico, a designer de produto Jonna Breitenhuber incorporou o conceito de cosméticos sem embalagem, transformando o produto em seu próprio reservatório. Assim, concebeu o SOAPBOTTLE, uma recipiente para substâncias líquidas (como shampoos, condicionadores, sabonetes líquidos e etc) feito a partir do próprio sabonete.

Cada frasco – super colorido – é composto por 80g de sabão e pode conter 100ml de líquido, com duração de aproximadamente um mês, graças ao seu revestimento de camada insolúvel em água que atrasa o processo de dissolução.

O CONCEITO DO SOAPBOTTLE

O conceito, fruto do mestrado da designer alemã na Universität der Künste (UDK), em Berlim, brinca com esse processo, com a transformação dos objetos e a individualidade decorrente desses aspectos, destacando a estética das coisas que devem durar apenas por um curto período de tempo.

No topo, há um fecho de metal reutilizável e uma área para amarrar uma fita ou alça, facilitando o manuseio.

SEM PLÁSTICO

À medida que o conteúdo do SOAPBOTTLE é usado, a embalagem de sabão vão se dissolvendo lentamente do lado de fora e os resíduos da garrafa podem ser usados como sabonete ou processados como detergentes ou produtos de limpeza.

O sabão é feito de recursos naturais e é biodegradável e a embalagem poderia ser utilizada para qualquer produto de higiene líquida – além de serem tão atraentes quanto as embalagens plásticas com o melhor design do mercado.

A maioria dos cosméticos é embalada em plástico, contribuindo para as 300 milhões de toneladas produzidas a cada ano. De fato, apenas 10% de todo o plástico é reciclado. O restante acaba em aterros sanitários ou no oceano, onde ficam por 500 anos ou mais.

O SOAPBOTTLE é uma embalagem feita de sabão. Conforme o conteúdo vai sendo usado, a embalagem se dissolve gradualmente. O sabão é feito de ingredientes naturais e é biodegradável.

Fontes: Designboom , Plain Magazine, Colossal.

Marjorie Simões é designer de interiores e artista visual. Curiosa, observadora e pesquisadora, adora aprender coisas distintas para depois conectá-las. Valoriza os trabalhos manuais, a cultura vernacular, a economia criativa e a produção/consumo sustentável. Acredita no poder das cores e tem leves faniquitos quando entra em ambientes beges.

Marjorie Simões – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários