u part wigs uk

Nem há tanto tempo assim, as mulheres iranianas se vestiam de forma diferente do que encontramos na atualidade. Os editoriais de moda fotografados nos grande palácios mostravam roupas curtas, calças pantacourt, croppeds e até sandálias gladiadoras, relançadas recentemente. No rosto, maquiagens chamativas, batons vermelhos e constantemente um olho de gatinho.

Até 1979, as mulheres podiam se expressar livremente no Irã também através da moda. Foi quanto aconteceu a Revolução Iraniana, ou Revolução Islâmica. O país tornou-se uma monarquia autocrática pró-Ocidente, regida pelo xá Mohammad Reza Pahlevi sob os comandos indiretos do aiatolá Ruhollah Khomeini.

Khomeini, líder religioso, vivia exilado em Paris. Conservador, sua intenção sempre foi retomar os valores “religiosos e tradicionais” da cultura islâmica. No ano da Revolução, o aiatolá conseguiu retornar ao seu país de origem com planos já em prática.

A quantidade de protestos e greves foi tão grande, que o xá Pahlevi foi deposto do poder e o Irã tornou-se uma República Islâmica.

Com a instituição religiosa no comando, castigos corporais e pena de morte a quem discordasse do xá foram naturalmente autorizados. Prostitutas, homossexuais, marxistas e judeus iniciaram um processo de luta, mas até hoje sofrem cassação. Hábitos antes autorizados para mulheres, como vestimentas livres, música, fumar ou dançar em público, foram condenados.

As mulheres iranianas hoje e a moda

É importante lembrar que atualmente, as mulheres no Irã dirigem, votam, trabalham, estudam, tem cargos públicos e podem se divorciar. Foi após 1979 que foi instituído o uso obrigatório do hijab (lenço que tampa os cabelos) para todas – inclusive turistas que estão de passagem pelo país também.

O governo hoje impõe o uso de um hijab cobrindo os cabelos e roupas fechadas que não deixem realçar nenhuma curva do corpo. Isso significa que você pode usar calças, tênis/sandálias, blusas (sem decotes em público) de suas marcas preferidas, e maquiagem, normal, por exemplo.

As mulheres que usam o típico chador iraniano (véu preto que cobre todo o corpo, deixando somente o rosto de fora – não é a “burca”) são geralmente de famílias tradicionais religiosas e condizentes ao governo dos aiatolás.

As que arriscam o hijab colorido, mostrando um pouco da franja, são mais contemporâneas, modernas e muitas amam moda. Há até um site bem legal que mostra a moda de Teerã atual, bem inspirador no estilo street style!

Veja um pouco da moda islâmica nesses editoriais de revistas iranianas antes da Revolução:

 African American Wigs UK

Via.

Se eu te disser todos os clichês sobre ser uma jornalista apaixonada por moda, fotografia, viagens e cultura, será que você acreditaria?

Clarissa Jurumenha – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários