A Fundação Ema Klabin, no Jardim Europa, em São Paulo, tem um valioso acervo de mais de 1500 obras, entre pinturas do russo Marc Chagall e do holandês Frans Post, talhas do mineiro Mestre Valentim, mobiliário, peças arqueológicas e artes decorativas. Selecionamos dez curiosidades sobre a Casa – Museu Ema Klabin que vão te surpreender

São Paulo é uma cidade que reúne passeios para todos os tipos de gostos. Muita gente porém, não sabe que no meio de tantos empreendimentos e atrações hoje, ainda é possível caminhar por um jardim com flores, plantas, pássaros, um lindo lago com carpas e que leva a assinatura de Burle Marx. Além disso, neste mesmo local, você pode admirar esculturas artísticas, visitar um orquidário e contemplar a arquitetura incrível de uma casa que demorou 10 anos para ficar pronta e que teve como inspiração o Palácio de Sanssouci, em Potsdam, perto de Berlim, e se inspirar com diversas exposições. Estamos falando da conceituada Fundação Ema Klabin, que fica no Jardim Europa. Mas quem foi Ema Klabin?

EMA KLABIN

Apaixonada por música e arte, Ema nasceu em 1907, no Rio de Janeiro. Seus pais eram imigrantes lituanos que vieram para o Brasil na última década do século 19. O pai de Ema, o industrial Hessel Klabin, foi um dos fundadores da fabricante de papel e celulose que leva o sobrenome deles. Os Klabin hoje possuem cerca de 20% da companhia. Educada no Brasil e na Europa, Ema viu de perto os estragos causados pela 1ª Guerra Mundial quando morou na Alemanha e na Suíça.

De volta ao país natal em meados dos anos 1940, ela ainda teve que assumir os negócios da família após a morte de seu pai, em 1946. Apesar dos momentos difíceis, Ema sempre fez questão de dedicar parte de seu tempo a inúmeras atividades filantrópicas e assistenciais, com destaque para o papel que ela desempenhou na construção do Hospital Israelita Albert Einstein.

Quando sua coleção de obras de arte começou a ficar grande demais, Ema decidiu transformar em realidade o sonho de construir uma residência onde pudesse conviver com seu acervo pessoal, além de receber amigos e familiares. O projeto foi encomendado ao engenheiro-arquiteto Alfredo Ernesto Becker, em meados dos anos 1950, e foi inaugurado no final de 1960, com jardins assinados por Burle Marx, logo se tornando um ambiente frequentado por artistas e intelectuais. Sem herdeiros diretos, Ema, que morreu em 1994, assegurou que a casa e a coleção se tornassem acessíveis ao público em seu testamento, e a partir daí nasceu a fundação.

Além de todos esses motivos e de ser um oásis em São Paulo, trouxemos aqui 10 curiosidades sobre a casa.

Biblioteca da Fundação Ema Klabin. Todas as imagens: divulgação

10 CURIOSIDADES SOBRE A CASA- MUSEU EMA KLABIN
1 – PALÁCIO ALEMÃO

Projeto do engenheiro-arquiteto Alfredo Ernesto Becker, a Casa-Museu Ema Klabin teve como inspiração o Palácio de Sanssouci, em Potsdam, perto de Berlim, frequentado por Ema em sua juventude. A mansão levou mais de dez anos para ficar pronta, desde os primeiros estudos (1950) até Ema mudar-se definitivamente (1961).

2 – BARDI

A coleção foi adquirida por Ema Klabin em galerias e antiquários do mundo inteiro. Uma das primeiras compras, em 1948, foi realizada por indicação de Pietro Maria Bardi, que então iniciava a formação do acervo do MASP.

3 – JARDIM

Em formato sinuoso e com um deslumbrante lago com carpas, o jardim de Ema Klabin foi projetado por um dos mais importantes arquitetos paisagistas do século 20, Roberto Burle Marx. Desde 2013, a Casa Museu Ema klabin também promove o Programa Jardim Imaginário que leva intervenções artísticas para o jardim da casa museu.

“Controle Remoto”, dos artistas Gisela Motta e Leandro Lima (2016). Foto: Ding Musa

– PRIMEIRA PINTURA SOBRE O BRASIL 

No acervo da Fundação, há peças de grande valor histórico como ´Vista de Olinda´ (1650), de Frans Post, uma das primeiras pinturas feitas sobre o Brasil. O quadro fez parte de uma leva de presentes dados pelo conde Maurício de Nassau, que governou o Brasil holandês entre 1637 e 1644, ao rei francês Luís XIV.

Pintura de Tarsila do Amaral, no acervo, início do Cubismo, 1923

5 – ORQUÍDEAS PREMIADAS

Ema Klabin também colecionava orquídeas e chegou a ter mais de 400 vasos em seu orquidário, com espécies trazidas de todo o mundo. Registrava todas as florações em seus cadernos e chegou a ter vasos premiados em exposições.

6 – CADERNOS DE JANTARES 

Ema registrava todos os seus requintados jantares em um caderno especial, onde anotava desde as porcelanas e pratarias utilizadas, até o menu, toalhas, vinhos e arranjos de flores (tiradas do seu próprio jardim). Recebeu sempre visitas ilustres como Assis Chateaubriand, Magda Tagliaferro, João Carlos Martins e José Mindlin, entre outros. Atualmente, a cada semestre, a mesa da casa-museu ainda é posta reproduzindo um desses jantares.

7 – RARIDADES

Para montar sua biblioteca, com 3 mil volumes, Ema recebeu inicialmente a orientação do bibliófilo José Mindlin. O acervo possui livros raros, abrangendo desde manuscritos iluminados e os primeiros exemplares do livro impresso (incunábulos e edições aldinas), até relatos de viajantes europeus pelo Brasil, datados do século XVI ao XIX, bem como diversas edições ilustradas de luxo, como a coleção dos Cem Bibliófilos do Brasil.

8 – HOSPITAL ALBERT EINSTEIN 

Ema Klabin dedicou-se a inúmeras atividades filantrópicas e assistenciais, dentre as quais se destaca a doação do terreno para a construção do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Quarto principal, banheiro e hall;

– HISTÓRIA DA ARTE

A coleção de Ema Klabin possui um caráter panorâmico e histórico, com muitas preciosidades. A peça mais antiga é uma taça chinesa em bronze do século XIV antes de Cristo, e a mais recente é uma gravura de Renina Katz de 1987. Entre uma e outra, são quase 3.400 anos de história e de arte.

10 – MAM 

Na década de 70, sem ter herdeiros diretos e preocupada com o destino de sua coleção, Ema Klabin passou a consultar especialistas para auxiliá-la na escolha das instituições aptas a receber coleção. O trágico incêndio do Museu de Arte Moderna do Rio, MAM (1978), no entanto, fez com que optasse por criar em sua casa um museu aberto à visitação pública.


Salão principal

VAI LÁ:  Fundação Ema Klabin

Endereço: Rua Portugal, 43, Jardim Europa – São Paulo.  Tel: 11 3897-3232

Para programações, exposições, agendar visitas, acesse informações no site oficial.

VISITAS VIRTUAIS

De qualquer lugar do Brasil, é possível realizar visitas virtuais para conhecer a Casa-Museu Ema Klabin, no Google Arts & Culture  ou por meio da ferramenta digital Explore, no site do museu. Nas redes sociais é possível acompanhar a rica programação cultural.

Carol T. Moré é editora do FTC. Internet, café, todo tipo de arte, viagens e pequenos detalhes da vida a fazem feliz. Acredita que boas histórias e inspirações transformadas em pixels conectam pessoas.

Carol T. Moré – já escreveu posts no FTCMAG.



Comentários