Poucos brasileiros visitam os Países Bálticos. Talvez seja pelo frio, pela distância, ou por nunca terem visto eles como um destino turístico. Estônia, Letônia e Lituânia são belíssimos locais para fugir dos roteiros tradicionais da Europa. Os Países bálticos fizeram parte da União Soviética e só conquistaram sua independência nos anos 90 depois de décadas de revolta.

Hoje, eles possuem capitais enérgicas que misturam modernidade, cultura, paisagens maravilhosas com muita natureza e centros pequenos com ares de vilas medievais antigas, mostrando cenários incríveis. Começamos então falando da Letônia! Nunca imaginei que um dia pisaria em Riga, a capital país (e a maior cidade de todos os países bálticos). E ela é apaixonante!

É o principal centro políticoculturalpopulacional e econômico do país. Riga é pequena, preservada e tranquila. A cidade nasceu na margem do Rio Daugava, onde fica o que é chamado hoje de Old Town (cidade antiga). Essa área é cheias de ruas estreitas e a melhor maneira de explorar essas ruelas e conhecer seus detalhes é a pé!

Impossível não se apaixonar pelas ruas de Riga em Old Town! 

RIGA OLD TOWN

O centro histórico de Riga foi declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, e é a área mais popular para os turistas. Tem uma arquitetura muito diversificada e a maioria dos edifícios são monumentos culturais já que representam vários períodos – Romantismo, Gótico, Barroco, Classicismo e Modernismo.

Depois da restauração da independência da Letônia (1991), muitos prédios da Cidade Velha foram reconstruídos para restaurar a aparência histórica da área. A cidade é super preservada, viva, tanto de dia quanto a noite!

ONDE SE HOSPEDAR

O melhor lugar para se hospedar em Riga é dentro da Old Town. Através do *Booking.com, fiquei no Hotel Justus e amei muito, desde a localização até as acomodações e a recepção do pessoal. O hotel fica super bem localizado, facilitando fazer tudo a pé!

Saindo da sua porta estão as ruas mais instagramadas da cidade! O famoso restaurante 1212 que fica ao lado do Hotel e 1ª rua da cidade, a Catedral, a praça principal, muitos restaurantes e lojinhas.

Inclusive, temos um presente para quem ficou com vontade de viajar e ficar neste hotel ou em qualquer outra acomodação pelo mundo. Ao final do post, temos um link de recompensa da Booking.com que vai te dar R$100 em reservas acima de R$200!

O hotel tem uma decor medieval combinada com objetos de arte fascinantes, tanto antigos e contemporâneos. Parte da estrutura era uma igreja, escolhida por um Bispo como o local para a sua residência nos Países Bálticos em 1210.

O edifício depois abrigou uma taverna no início do século 19 que foi substituída pelos serviços de tipografia e litografia. No século XX, foi ocupada por oficinas de artesãos, laboratórios farmacêuticos e depois uma galeria de cinema e escritórios.

A arquitetura e atmosfera histórica fizeram do hotel um ponto de filmagem favorito dos cineastas soviéticos. Agora o hotel pertence a um pequeno grupo de amigos que viu no prédio vazio uma oportunidade de transformá-lo em outra coisa sem deixar de lado sua energia artística!

O QUE FAZER EM RIGA?

Riga tem 43 igrejas. A Catedral de Riga, por exemplo, considerada a maior igreja medieval nos estados bálticos, construída no século XIII, foi modificada diversas vezes na história. Tem um magnífico órgão que data de 1844. Na parte externa, você vai encontrar estátuas de animais em bronze. O pessoal tem o costume de passar a mão no nariz para trazer boa sorte!

Já a Igreja de São Pedro (St. Peter’s Church) oferece uma vista panorâmica maravilhosa da cidade a partir de uma torre de 72 metros. Para subir, você paga 9 euros, mas vale a pena. Foi construída em 1209, de estilo gótico do século XIII, depois de guerras, incêndios, possui ainda basílicas no interior que servem como uma boa lição de história.

Lá dentro, podemos ver vários elementos originais da época como o galo da sua torre, túmulos, epitáfios de pedra, madeiras restauradas e um enorme candelabro de bronze de sete ramos (1596).

Outros edifícios legais para conhecer: Three Brothers, Blackhead, Casa do Gato, Swedish Gate. Eles tem um certo encanto!

THREE BROTHERS

É o complexo mais antigo de casas em Riga e foi construído no século XV. O nome – Três Irmãos – foi dado porque, segundo uma lenda, os edifícios foram construídos por homens de uma mesma família. Hoje, as instalações abrigam o Museu da Arquitetura da Letônia e Proteção do Patrimônio.

DICA FTC: Aliás, ali perto, numa rua paralela, fica uma cafeteria que os turistas não descobriram muito ainda e possui doces deliciosos, é a Parunãsim. Nem falo mais nada.

BLACKHEAD HOUSE

Depois, um passeio pela Blackhead House. Historicamente, a função do prédio era promover negócios na cidade – o local reuniu comerciantes por muitos séculos.

A alma da Casa dos Cabeças Negras eram seus “cravos” (homens jovens e solteiros) ativos e alegres, que eram conhecidos (os Three Brothers) por seu temperamento e entusiasmo e organização de várias celebrações e eventos.

Sua animação transformou o edifício em um dos principais espaços culturais da cidade, que marcou o ritmo da cena social de Riga. Ainda hoje, o edifício oferece espaço para organizar eventos, concertos, jantares comemorativos, e outros eventos culturais na cidade. A arquitetura externa é maravilhosa!

DICA FTC: Saia da Blackhead House, ande um pouquinho e conheça o café FAT CAT Cafe.

BLACK CAT HOUSE

Ela possui uma escultura de um gato preto empoleirado no topo do telhado na Praça Livu. O edifício ficou famoso e é peculiar, e foi até causa de uma ação judicial. A Cat House foi projetada pelo arquiteto Friedrich Schefel em 1909. Friedrich Schefel e Heinrich Scheel são considerados pioneiros da arquitetura Art Nouveau de Riga.

O prédio pertencia a um rico negociante letão que não foi admitido na câmara comerciante da cidade (a Blackhead House), e por ressentimento, colocou a figura do gato com o rabo virado pra cima e para a Blackhead House, numa postura um tanto quanto ofensiva.

A Cat House, construída no estilo de um castelo medieval, foi completada com cores da paleta Art Nouveau, trazendo tons românticos para toda a cidade e sarcasmo também. Deu maior B.O. Foi preciso mudar o rabo do gato de lugar. Hoje, há um restaurante no térreo do prédio, enquanto outras partes da Casa Cat hospedam escritórios.

DICA FTC: Existe um restaurante bem gostoso ali perto da casa, na Praça Livu na rua Meistaru Iela 19/21, que é delicioso! Ele chama Zilã Govs e tem pratos locais com toque da cozinha moderna com preços justíssimos. Eu sei que lá fora vai parecer mais animado, mas se possível sente lá dentro. O cenário é incrível!

BLACK MAGIC

Tem muita cafeteria gostosa pela cidade, mas uma é especial pela decoração, a Black Magic. O local é também uma chocolateria, bar, e merece uma visita pois associa o passado com o surgimento do “Riga Black Balsam”, criação do ferreiro e farmacêutico Abraham Kuntze.

Foi sua bebida amarga e curativa, a infusão de 24 ervas, que se tornou popular na cidade e foi considerada um remédio que poderia curar quase todas as doenças. Em 1752, Catarina, a Grande, que na época visitava Riga, foi curada pela bebida gelada. Desde então, o bálsamo virou um elixir.

O bar foi criado como uma farmácia – o laboratório de Abraham Kuntze, mas hoje, esse laboratório oferece produtos deliciosos de confeitaria e chocolate, café e aditivos balsâmicos para a nossa saúde! Fiquei enfeitiçada!

DICA FTC: Existe vários produtos maravilhosos para comprar na Black Magic quando falamos em chocolates. Tão linda a vitrineeeee. Além disso, não deixe de experimentar o Riga Black Balsam!

FREDOOM MONUMENT

Vale a pena também dar uma volta pela área em que fica o Freedom Monument, a representação arquitetônica da ideia de liberdade. A obra de arte em granito e cobre tem 42,7 m de altura e é um símbolo da luta pela liberdade e independência da nação letã e foi um projeto de um notável escultor letão Kārlis Zāle (1888-1942). A construção durou quatro anos. São 56 esculturas organizadas em 13 grupos em 4 níveis – e ela é enooooorme!

KRONVALDA PARK

Perto dali, também fica uma das entradas do Kronvalda Park que tem 11,92 hectares, com um lindo canal. Esse canal da cidade divide o parque em duas partes, e é um ótimo lugar para relaxar! Quanto verde, silêncio. Existem algumas curiosidades que me deixaram bem intrigadas na Letônia.

Como por exemplo, você sabia que a maior parte do território é tomado por florestas intocadas, e isso é um prato cheio para o turismo ecológico? Existem diversos parques pela cidade, inclusive, que servem como ótimos passeios, ou para um descanso, as pessoas almoçam, mães e muitos bebês o tempo todo, lêem livros, sentam com o celular, estudam, desenham!

DICA: Sente no parque e contemple um pouco o momento.

ROZENGRĀLZ

Tem um restaurante bem interessante que chama ROZENGRĀLS e fica na Old Town na Rua Rozena -1. Manuscritos de 1293 mostram que ali é a mais antiga adega de vinhos e era um local festivo da Câmara Municipal de Riga!

A maior sala do restaurante, que tem arcos de 4 metros de altura, ainda é o único lugar da cidade que tem fragmentos medievais da primeira muralha defensiva construída em 1201!

Você desce uma escada super íngrime e o clima é assim! 

É surreal descer essa escada e “cair” numa atmosfera medieval de filme, ver as pessoas no breu comendo e bebendo. Ali, os pratos são preparados de acordo com antigas receitas.

DICA FTC: Se não curte essa vibe medieval, há um restaurante bem tradicional pra comer no centro da cidade que se chama LIDO. Lá você encontra comidas típicas e é tipo um self-service. Daí dá para experimentar de tudo um pouco sem pagar horrores!

THE SWEDISH GATE

Nos tempos medievais, o Portão Sueco foi erguido em 1698 como parte do Muro de Riga para fornecer acesso aos quartéis fora da muralha da cidade. Hoje é o único portão preservado em sua forma original desde a época. Passando por ele, você encontra o Jacob’s Barrack, o prédio mais longo da cidade até os tempos recentes e a Powder Tower, a única torre/fortificação que ainda está de pé (hoje é parte de um museu militar).

ART NOUVEAU

A Art Nouveau, é um estilo de arte do final do século XIX e início do século XX, que foi o início da arquitetura moderna. E é justamente por isso que a cidade é reconhecida: por ter a maior concentração de construções Art Nouveau do que em qualquer lugar do mundo.

Feitos em um período de rápido crescimento econômico, a maioria dos edifícios em Riga são de 1904 a 1914. O estilo traz prédios de apartamentos de vários andares. Para quem curte arquitetura, não pode deixar de visitar principalmente as ruas Alberta e Elizabetes. É lindo, é surreal!

Cada prédio nos conta uma história diferente. Leões, homens, máscaras lado a lado com rostos contemplativos de mulheres, misteriosas esfinges, flores, pássaros e animais. 

DICA FTC: Se você é apaixonado pelo assunto, não deixe de fazer um tour especial sobre o assunto – Riga Art Nouveau Free Tour. E ainda é de “graça”, ou melhor, você paga o quanto achar que deve.

RIGA CENTRAL MARKET

Um mercadão que tem tudo! Em 1997, a UNESCO homenageou o mercado (como parte da Cidade Velha) como um espaço na lista de “Patrimônio Mundial”. Não é a toa.

A construção começou em 1924, e os edifícios usados como os vários pavilhões, que dão ao mercado sua aparência única, foram inicialmente construídos como hangares para zepelins do exército alemão. Depois, durante a guerra, o Terceiro Reich fez uso de dois pavilhões como uma oficina de conserto de automóveis.

Hoje é um dos maiores mercados da Europa e traz a maior variedade de pescados frescos da Letônia, assados, frutas e legumes, ervas e especiarias, mel, castanhas, e muito mais.

O mercado satisfaz com produtos domésticos, flores, vasos de plantas, souvenires, e todo domingo uma feira incrível tradicional com tudo o que você imaginar: roupas, sapatos, frutas, peixes, âmbar, mel, etc!).

A Letônia ama legumes em conserva! Por conta do frio, legumes e verduras são feitos em conserva para serem consumidos o ano inteiro pelas pessoas, já que na neve é difícil tê-los frescos! 

DICA FTC: Se estiver em um domingo na cidade, vale a pena visitar o mercado pela manhã. Tome café da manhã por lá e vá passear. Aproveite para comprar guloseimas e artesanatos com preços melhores do que na cidade, experimentar todos os tipos de mel possível nas barraquinhas, ver os bouquets de peixes, etc!

DESIGN EM RIGA

O design da Letônia é bastante peculiar, e existem diversas lojinhas legais pela cidade que merecem ser visitadas. Entre os materiais utilizados estão a madeira, o feltro, cerâmica, papel, linho, cosméticos naturais. Fiz uma listinha de vários lugares pela cidade para você entrar e se divertir com as coisas!

  • Pienene: loja que trabalha com produtos sustentáveis criados por designers locais. Tem desde cerâmicas até bijuterias, roupas de linho, papelaria, peças em madeira, feltro. No fundo há uma linda cafeteria;
  • Gallery Etmo: Design contemporâneo. A loja possui roupas, acessórios e itens decorativos para casa;
  • Sena Klets: a loja vende itens artesanais autênticos, trajes etnológicos, arte folclórica e mais.
  • Tines: Loja de roupas feitas por designers e com materiais locais, respeitando os padrões étnicos mas com uma pegada moderna!
  • Hobbywool: A loja traz materiais como lãs e linhas para bordar, mas também vende kits e peças feitas à mão com design étnico da Letônia;
  • Art Nouveau Riga: Pôsteres, prints, objetos de decor, luminárias e muito mais com o tema Art Nouveau.
  • Stenders: Cosméticos e produtos para o banho e corpo inspirados na natureza;
  • Laima Chocolate: Chocolataria local;
  • Lokal House: pranchas de surf, souvenires e uma cafeteria. Uma loja conceito bem legal na cidade.
  • Miesai Design Concept: Originalmente de Riga, a Miesai cria objetos e peças cheias de design;
  • M50 Bar / Design Store: Artes e Crafts da Letônia;
  • Humana Vintage: como o próprio nome diz, uma vintage shop!
  • Mr. Page: Livraria conceito e loja de design
  • Jaunais Kolekcionars: uma loja cheia de presentes da Letônia, artesanatos na Old Town;
  • Valmiermuiza Brewery: Cozinha letã e cerveja!
  • Bio Bio: a 1ª loja 100% orgânica, 100% vegana e bar;
  • Bold Concept Store: Roupas, design e produtos pessoais em uma loja conceito;
  • Svecu Istaba: Uma galeria de arte relaxante, uma loja e um restaurante.

 

Outros lugares legais para visitar se der tempo

-Kalnciema Quarter: Complexo de edifícios de madeira do século XIX renovado em Pārdaugava onde acontecem feiras de design, gastronomia de rua, exposições de arte e workshops. Para chegar, basta atravessar a ponte/rio!

-Também vale a pena passear pelo bairro de Angenskalns: ver as casas do século 19 e 20 e suas arquiteturas preservadas, do outro lado do Rio Daugava.

Bergs Bazaar: Um dos principais destinos de compras e gastronomia. Pequenas boutiques que oferecem itens locais e internacionais, inúmeros restaurantes ou cafés, passeie parando para descansar em um dos muitos bancos pelas ruas!

-Valdemara Pasaza: um dos locais mais vibrantes e criativos de Riga! Ali estão as empresas mais inovadoras da Letônia. O espaço era uma famosa fábrica de Cerveja “Bier und Porterbräuerei und Malzfabrik C. Stritzky”, construída em 1887. São mais de 7 mil metros

National Library of Latvia: Visitar o novo prédio da biblioteca nacional, na margem esquerda do Rio Daugava. Ali, você tem a vista panorâmica da Cidade Velha, além de poder ver de perto o lindo prédio construído pelo arquiteto letão-americano Gunārs Birkerts.

-Tomar um café no D’Arte Terrace: o terraço é lindo e pode ver a cidade de graça toda por cima!

-Andar pela Miera Iiela, a rua é mais descolada e os locais adoram fazer compras por lá!

-Ficar dias e mais dicas visitando as inúmeras cafeterias da cidade (fiz uma lista enorme, não consegui conhecer nem metade!)

-Tomar chá na Aspara Tea House: uma vista e um lugar cheio de plantas!

Latgales Flea Market: Esse mercado de pulgas é pra quem curte o lado B e gosta de garimpar coisas antigas. Formado principalmente por russos que vieram após a queda do comunismo, há barraquinhas de coisas de tudo o que você imaginar: câmeras fotográficas antigas, TVs e antenas, eletrônicos, bicicletas e peças, itens da URSS, livros.

Prepare-se: arregasse as mangas e garimpe, garimpe, garimpe. Os preços são ótimos se você não ligar para a poeira.

Quando ir

Fui para Riga na primavera (maio-junho) e foi ótimo o clima, frio sem ser insuportável. O clima da cidade é marítimo e úmido. Os meses de mais frio são Janeiro e Fevereiro, quando a temperatura média é -6°C, mas temperaturas tão baixas como -20°C a -25°C podem ser observadas em quase todos os anos em dias mais frios.

Devido à proximidade do mar, neblinas são constantes e no Outono as chuvas são frequentes. Os verões são quentes e húmidos com a temperatura média de 18°C, enquanto que a temperatura no dia mais quente costuma ultrapassar 30°C.

Quantos dias ficar

Para conhecer a cidade e os principais pontos turísticos, recomendaria uns 2-3 dias. Claro que sempre fica aquele gostinho de “quero mais”, mas dá pra curtir numa boa a cidade nesse tempo!

Como chegar

Não existem voos diretos do Brasil para Riga. Como eu estava em Moscou, fui de lá para a Letônia. Existem voos diretos das principais cidades européias para lá.

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar na Letônia, o país faz parte da União Européia.

Quanto custa

A Letônia é um dos países mais baratos para se visitar. Claro, que nem tão barato assim, já que a moeda é o Euro. Mas dá para comer bem pagando até 15 euros.

Como se locomover

Riga é super pequena, dá para explorar a Old Town a pé, mas existe uma rede de trams que circulam por todo o centro histórico.

Onde se hospedar

Como já disse, o melhor lugar para se hospedar em Riga é dentro da Old Town. Fiquei através do *Booking no hotel Justus e amei tudo, desde a localização até as acomodações e a recepção do pessoal.

*FICOU COM VONTADE DE VIAJAR?

E você? Ficou com vontade de viajar? Nós temos um presente da Booking: clicando neste link até 31 de julho, você ganha R$100 reais de recompensa em reservas de no mínimo R$200 para qualquer lugar do mundo!

Carol T. Moré é editora do FTC. Internet, café, todo tipo de arte, viagens e pequenos detalhes da vida a fazem feliz. Acredita que boas histórias e inspirações transformadas em pixels conectam pessoas.

Carol T. Moré – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários