Em uma cidade tão diversa como Amsterdã, cheia de museus, canais, bicicletas, festas e tulipas, é natural que as opções de hotelaria sejam tão amplas – de barcos nos canais a hotéis boutique e de tradicionais a descolados. Nós amamos a cidade e, durante a nossa estadia, nos hospedamos em três hotéis – cada um com uma experiência diferente. Abaixo, contamos um pouco sobre o Hotel The Exchange, o SWEETS hotel e o Misc eatdrinksleep (tem, inclusive, dica de bar). Confira:

 

HOTEL THE EXCHANGE – FASHION HOTEL

Começamos a nossa estadia em Amsterdã nos hospedando no Hotel The Exchange. O fashion hotel de luxo ocupa três prédios no centro da cidade, sendo que o mais antigo deles data do século XVII. Os arredores foram a inspiração por trás do design dos 61 quartostodos únicos e assinados por jovens designers do Amsterdam Fashion Institute (AMFI). Variando de uma a cinco estrelas, os espaços contam com amenidades, tamanhos e vistas diferentes.

A convite do The Exchange, ficamos no quarto 703 – o Rembrandt Room New. O espaço, idealizado por Roos Soetekouw, é um dos dois quartos do hotel que fazem referência ao millstone collar, tipo de acessório usado por homens notáveis da época, como o próprio pintor holandês. Ali, a forma do colar foi replicada em uma estrutura de origami tridimensional que envolve a cama e dá um quê de conto de fada ao quarto.

Para destacar os painéis de tecido, o espaço e o mobiliário são praticamente todos brancos, com exceção da mesa de madeira, do cabideiro de metal e das almofadas da daybed suspensa abaixo de uma das janelas. O resultado é uma vibe escandinava luxuosa e bem relaxante.

Projetadas pelo estúdio INA-MATT, as áreas comuns têm um estilo descolado e cores vibrantes, o que também homenageia a versatilidade da própria cidade. O estúdio assina alguns quartos do hotel, que neste ano fez uma parceria com a MAISON the FAUX, assim como o Café Stock, aberto ao público, onde é servido o café da manhã dos hóspedes.

Ali, pinturas na parede, mesinhas de madeira e bancos de metal modernizam a história do prédio ao mesmo tempo em que aproveitam ao máximo o espaço do café. O cardápio conta com opções mais tradicionais, como smoothies e panquecas, e opções para o dia inteiro, como cervejas, vinhos e hot dog. Nós comemos um panini de salame, queijo e pesto; chai latte e chocomel; e torta de Nutella e banana bread – comemos bem e estava uma delícia. Veja o cardápio completo aqui.

Premiado, o Hotel The Exchange já venceu concursos como o Talent du Luxe (2006), o Time Out Award for best Hotel (2010), e o Harrie Tillie Award for best design (para o trabalho do INA-MATT, 2013). O hotel possui uma cafeteria, o Café Stock, que funciona de segunda a domingo, das 7 às 17h.

Mais informações no site do Hotel The Exchange e nas redes sociais: Facebook e Instagram.

 

SWEETS HOTEL – DURMA EM UMA BRIDGE HOUSE

Depois do The Exchange, partimos para o seu sister hotel, o SWEETS hotel. Aberto em março de 2018, o SWEETS é composto por 28 bridge housescasas nas pontes dos canais de Amsterdã que foram usadas por cem anos para acomodar os bridge keepers, que controlavam a abertura dessas pontes. Quando um sistema automático foi instalado, as casas ficaram sem uso e, em 2012, o projeto do hotel começou. Espalhadas pela cidade, as estruturas acomodam no máximo duas pessoas e ainda estão em reforma, com 11 disponíveis para receber hóspedes.

Com diferentes estilos arquitetônicos, do Amsterdam School ao Modernismo, as casas têm um charme irresistível e foram construídas ao longo de 336 anos. Únicas, cada uma delas tem um interior que condiz com o período arquitetônico do exterior. A reforma foi um desafio não somente por trazer o conforto e a hotelaria às construções históricas, mas também pelo aproveitamento do espaço.

Na nossa, a 308, Kinkerbrug, a metragem foi contornada por meio de uma estrutura de madeira que integra, da esquerda para a direita, uma mesa retangular, um banco e a própria cama. O interior ainda conta com closet, banheiro e um pequeno espaço para a cozinha. Construída em 1936 pelo arquiteto Pieter Lodewijk Kramer e reformada em 2017 pelo Space&Matte, a casa tem estilo Amsterdam School e acomodou bridge keepers de sua inauguração até 2018.

A experiência que tivemos no SWEETS Hotel foi bem parecida à um aluguel de casa. Mas, a estadia foi realmente única tanto pela história das casas, mantidas no exterior e totalmente transformadas no interior, quanto pela vista dos canais, que só é conseguida de cima da ponte.

Mais informações no site do SWEETS Hotel e nas redes sociais: Facebook e Instagram.

 

MISC EATDRINKSLEEP – BOUTIQUE HOTEL

Nossa terceira – e última – hospedagem em Amsterdã foi no Misc eatdrinksleep. O boutique hotel fica próximo ao Red Light District e tem um casal muito simpático como donos. Rachel foi nosso contato principal enquanto ficamos na cidade e tornou nossa viagem muito mais prazerosa (ela inclusive nos salvou de um tour que deu errado).

No Kloveniersgburwal, um dos canais mais antigos da cidade e que data do final dos anos 1400, o Misc eatdrinksleep fica em uma casa do século XVII e possui apenas seis quartos. Todos únicos e decorados com temas diferentes, eles têm vista para o canal – Design Room, Rembrandt Room e Afrika Room – ou para o jardim – Wonders Room, la Primavera Room e Baroque Room.

Nós ficamos no Rembrandt Room, que homenageia o famoso pintor holandês. Com piso de madeira e móveis de época, é fácil se sentir em uma verdadeira casa local – especialmente quando o assunto são as escadas. E esta é uma das melhores dicas da Holanda: a maior parte dos prédios não possui elevador. Como os degraus são pequenos e íngremes, vale levar isso em conta na hora de escolher o tipo e o tamanho da mala para levar na viagem.

O café da manhã é servido no lounge do hotel e conta com opções bem tradicionais. O espaço, mobiliado com poltronas de veludo e mesas de madeira, também funciona como o Rosalia’s Menagerie. Com inspiração na herança holandesa e na história do canal onde fica, o bar é parada obrigatória.

Os drinks, todos pensados de acordo com contos, são apresentados em um cardápio ilustrado, o que reforça ainda mais a cultura de ménagerie, palavra que descreve uma coleção de animais e curiosidades. As bebidas também são descritas de acordo com suas características e não seus ingredientes (mas você pode perguntar). Nós tomamos o Devil’s Tale e Apple Tree Man, acompanhados de uma tábua de queijos holandeses que é uma das melhores que já comemos!

O Misc eatdrinksleep foi reconhecido no Traveler’s Choice, do Trip Advisor, em 2016 e 2017, e como Favorite Hideaway do Iescape. O Rosalia’s Menagerie funciona de sexta a sábado, das 18 às 2h, e de domingo a quinta, das 18 às 00h. (Veja as fotos no Facebook e Instagram e o menu completo aqui!)

Mais informações no site do Misc eatdrinksleep e nas redes sociais: Facebook e Twitter.

 

Todas as nossas hospedagens em Amsterdã foram excelentes – recomendamos todas! Como as experiências foram diferentes, se você busca um hotel mais high end e fashionista, fique no The Exchange. Se quer uma experiência fora do comum com uma vista única, reserve o SWEETS. E, se prefere uma estadia mais tradicional com um ótimo bar, se hospede no Misc eatdrinksleep.

Mariana Bruno é jornalista e escritora especializada em decoração, arquitetura e design. Já trabalhou em diversas plataformas e hoje atua na área de PR. Acredita no poder das experiências, do lifestyle, do entretenimento e das viagens. Instagram: @missbruno

Mariana Bruno – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários