Meca das compras e da badalação, Miami apresenta cada vez mais opções para quem quer conhecer um lado mais autêntico e low profile deste famoso destino no sul da Flórida

De centro expoente do estilo art déco nos anos 20, a lugar decadente e com sérios problemas ligados ao tráfico de drogas nos anos 80 e 90, chegando finalmente a um perfeito mix entre paisagens, arte, gastronomia e modernidade. Quem olha para Miami hoje, em toda sua efervescência, dificilmente conseguiria imaginar que a cidade passou por uma transformação tão grande em um período tão curto. Se até um tempo atrás, ainda havia quem associasse este ensolarado destino no sul da Flórida unicamente a baladas, shoppings, outlets, praias cheias de gente, fast-food e uma completa ausência de atrações culturais, na atualidade é difícil ignorar o fato de que Miami soube se reinventar como poucos lugares.

A extensa faixa litorânea continua presente, bem como as pool parties nos hotéis de South Beach e as inúmeras lojas de marcas. Mas hoje, toda a região vibra como um hub cultural, repleto de intervenções artísticas urbanas, inovadoras instalações artísticas, novos museus, e uma das mais vibrantes cenas gastronômicas dos Estados Unidos.

Pegando carona nesta nova cara de Miami, separamos cinco passeios para quem quer conhecer esta outra face deste popular destino turístico:

1- WYNWOOD ARTS DISTRICT

Talvez o melhor e mais conhecido exemplo de revitalização urbana pela arte. Antigamente uma das áreas mais violentas e degradadas de Miami, longe da praia e próximo a Downtown, o bairro de Wynwood passou por um intenso processo de reinvenção, iniciado há pouco mais de 10 anos. Seus antigos galpões e armazéns foram ganhando um novo aspecto, transformando a vizinhança, pouco a pouco, em uma espécie de galeria de arte a céu aberto, com grafites e pinturas em larga escala espalhados pelas paredes e fachadas. É no ponto conhecido como Wynwood Walls que se concentra a maior parte das intervenções. E o mais legal é que elas vão mudando constantemente, o que garante um cenário diferente a cada nova visita.

Com o sucesso da revitalização, a cena artística se expandiu. Hoje, é possível encontrar muitos outros grafites pelo bairro todo, e aqui também se concentra uma das melhores cenas gastronômicas da atualidade, com opções de restaurantes e bares para todos os bolsos e gostos (nossos preferidos são o contemporâneo Kyu; o Le Chick; o Wynwood Kitchen & Bar ; e a deliciosa padaria Zach The Baker).

O que não falta em Wynwood, além dos grafites a céu aberto e das delícias gastronômicas, são galerias de arte e lojinhas descoladas. Ok, é verdade que tanta transformação acarretou também um processo de gentrificação na área, mas é inegável que o processo de revitalização através da arte conseguiu transformar uma zona esquecida e violenta em um dos trechos mais legais do sul da Flórida.

2- DESIGN DISTRICT

Após a revitalização bem sucedida de Wynwood, nada mais justo do que expandir a transformação para os bairros adjacentes. Foi assim que, de alguns anos para cá, a área de Midtown, logo ao norte, ganhou o nome de Design District. Aqui, ao invés de grafites, o que encontramos são lojas de móveis e roupas, de grifes e também de marcas locais. É um trecho mais sofisticado de Miami, mas nem por isso menos original. As ruas de comércio do Design District são um charme, e tem muita coisa bacana para ser vista nas vitrines (ainda que muitas vezes sejam somente para olhar, e não necessariamente para comprar).

E embora seja mais voltado ao comércio, no Design District também há atrações culturais, como o novo museu do Institute of Contemporary Art; além de obras de arte espalhadas ao ar livre, numa vibe meio Wynwood. Há desde alguns murais até esculturas a céu aberto, como as interessantes Fly’s Eye Dome, do artista Buckminster Fuller, e Le Corbusier, do artista Xavier Veilhan.

Impossível falar sobre o Design District sem destacar que este é atualmente o mais efervescente hub gastronômico de Miami. As ótimas opções vão desde o Politan Row, espécie de praça de alimentação com estandes de diferentes culinárias, até restaurantes locais como o indiano Ghee, e o grego Mandolin Aegean Bistro.

3- MiMO DISTRICT

Seguindo a geografia dos processos de revitalização urbana em Miami, a área ao norte de Wynwood e do Design District é a bola da vez. Ainda em pleno processo de transformação, esta grande zona, que tem como principal eixo a Biscayne Boulevard, uma das principais vias da cidade, é cortada por alguns dos bairros mais simbólicos de Miami, como Little Haiti, histórico reduto de imigrantes haitianos. Trata-se de uma área que sofreu com a alta incidência de crimes e abandono até o início dos anos 2000.

Recentemente, um amplo esforço começou a ser implementado para valorizar o patrimônio histórico da área, que ganhou o nome de Miami Modern District – ou simplesmente MiMo. Se South Beach ficou famosa pelas construções em estilo art déco na avenida da praia, em voga nos anos 20, MiMo concentra uma grande quantidade de casas e pequenos edifícios de arquitetura modernista, estilo em voga no pós-guerra. Várias das construções em seu perímetro datam de meados do Século XX, quando a região vivia seu apogeu, antes da decadência iniciada nos anos 80. Um dos cartões-postais daqui é o letreiro em neon da marca de protetor solar Coppertone (7300 Biscayne Blvd).

Reaproveitando as fachadas e a história da região, hoje MiMo conta com um número cada vez maior de hotéis-boutique e restaurantes, dentre os quais destacamos o ótimo Gregory’s Diner, dentro do emblemático Vagabond Hotel, aberto originalmente em 1953; e o delicioso brunch do lindo restaurante CHICA, comandado pela chef venezuelana Lorena Garcia.

Merece destaque também o Miami Ironside, um complexo multiuso de arquitetura sustentável, que conta com galerias de arte, cafés, boutiques, jardins com esculturas, e a ótima pizzaria Ironside Kitchen. No meio do local, fica ainda um pedaço original do Muro de Berlim.

4- DOWNTOWN/PEREZ ART MUSEUM 

Muito antes de Wynwood, Design District e MiMo, foi a região de Downtown que iniciou o processo de revitalização para além das praias de Miami. A paisagem aqui é uma velha conhecida: prédios modernos debruçados sobre a bela Baía de Biscayne. Mas cada vez mais, este conjunto de quarteirões vem ganhando novos atrativos, em complemento aos arranha-céus e aos restaurantes e hotéis incríveis, como o EAST Miami. Além do Bayside Marketplace, antigo centro de compras e entretenimento, a região hoje conta com alguns dos principais estabelecimentos culturais da cidade, como o Adrienne Arsht Center, conjunto de teatros que são palcos de musicais, peças, concertos e balés; e a American Airlines Arena, sede de grandes shows e eventos, e lar do time de basquete Miami Heat.

Mas é em uma nova construção debruçada sobre a baía que fica a principal atração cultural de Downtown: o Pérez Art Museum, museu de arte moderna e contemporânea. Com exposições sempre interessantes e um interessante acervo, o museu traduz muito bem o espírito cosmopolita e atual de Miami, seja através de sua coleção ou de sua arquitetura, com muito verde e um gostoso espaço para caminhada, uma forma de abraçar a paisagem da cidade que o acolhe.

5- HOLLYWOOD BEACH E KEY BISCAYNE

Não dá para falar de Miami sem mencionar a praia, né? Mas esqueçam o passeio batido por South Beach. Tudo bem que as construções art déco na Collins Avenue, em frente ao calçadão, são lindas. Mas também é verdade que este trecho sofre há anos com o overtourism e com estabelecimentos de qualidade um tanto quanto duvidosa, além da faixa de areia muvucada. Quem quer conhecer praias menos exploradas deve rumar para um dos extremos de Miami.

Ao norte, já no condado de Broward, no caminho para Fort Lauderdale, fica Hollywood Beach, uma praia super charmosa, com um calçadão estilo retrô, perfeito para tomar sorvete, caminhar ou andar de bicicleta. A faixa de areia é ótima, e entrando na área de preservação ambiental que fica logo após o calçadão, é possível acessar um trecho litorâneo totalmente preservado, com muito verde e pouca gente. Ideal para esticar a canga e tomar um banho de sol e mar.

Na direção oposta de Hollywood Beach, fica Key Biscayne, uma ilha repleta de residências luxuosas, e que conta com trechos mais exclusivos e virgens de praia. Há boas trilhas para fazer aqui, principalmente no Bill Bags Cape Florida State Park, que possui o farol mais antigo do sul da Flórida.

Com tantos atrativos além dos pontos turísticos mais batidos e dos famosos shoppings e outlets, fica até feio resumir a Miami de hoje a clichês ultrapassados. Quem procura um destino cultural, vibrante, com boa cena artística e gastronômica, sem focar apenas nas praias e nas compras, está muito bem servido nesta metrópole do sul da Flórida.

ONDE SE HOSPEDAR –  EAST Miami

Já que falamos tanto da cena cultural de Miami, uma boa ideia é ficar hospedado na região de Downtown, que está perto de Wynwood e do Design District, e conta com muitos restaurantes bons e com alguns dos melhores hotéis da cidade. Nossa dica é o EAST Miami, hotel com identidade própria e design super moderno, com uma vista linda para os prédios do centro financeiro e para a Baía de Biscayne. Escrevemos sobre ele aqui.

Fabio Calderon é jornalista de formação, e desde cedo enveredou pelo caminho sem volta das viagens mundo afora. Da Disney à Ásia, não há destino que escape de sua wishlist. Atualmente, comanda a Planejante, agência e consultoria de viagens especializada em roteiros personalizados. Entre suas paixões, além da vida nômade, estão as experiências gastronômicas (de ceviche a hambúrguer, passando por noodles e sorvete), museus, passeios ao ar livre, road trips, e qualquer coisa que seja sinônimo de liberdade e pé na estrada.

Fabio Calderon – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários