Além de obras de Van Gogh, o Tate Britain também recebe trabalhos de artistas que inspiraram o gênio pós-impressionista

Vincent Van Gogh é um artista que está sempre na mira da mídia e das galerias de arte. Seu trabalho já ganhou parcerias com marcas de roupa e sua história rendeu até um filme, o primeiro em que uma equipe de mais de 100 artistas pintou cada cena como se fosse uma tela de suas obras. Mas uma nova exposição em Londres pretende explorar o tempo em que o artista – comumente ligado à Holanda – viveu no Reino Unido.

O Museu Tate Britain, localizado em Westminster, recebe até o dia 11 de agosto de 2019 uma mostra com mais de 50 quadros pintados por Van Gogh e que refletem como o artista foi inspirado pelo tempo em que passou no país, bem como influenciou artistas britânicos com o seu trabalho.

Algumas de suas obras mais famosas vão compor a exposição junto com os quadros feitos no período em que morou em Londres. Entre eles, O par de sapatos, Noite estrelada sobre o Ródano e A Arlesiana, este último cedido pelo Museu de Arte de São Paulo, o MASP, para a exposição.

Há ainda dois trabalhos de Van Gogh feitos quando ele ficou hospedado no asilo Saint-Paul: No portal da eternidade e A ronda dos prisioneiros, além de Girassol, hoje sob os cuidados da National Gallery em Londres. A ronda dos prisioneiros foi um quadro inspirado em uma ilustração de Gustave Doré, publicada nas revistas de Londres que Van Gogh colecionava.

Noite estrelada sobre o Ródano (1888)

VAN GOGH EM LONDRES

O artista morou na capital inglesa por três anos, de 1873 a 1876. Nesse período, apaixonou-se pelos livros de Charles Dickens e George Eliot. As pinturas de Constable e Millais também influenciaram o pintor holandês e moldaram seu estilo artístico. A exposição no Tate Britain cita alguns artistas influenciados por Van Gogh – como Francis Bacon e David Bomberg – e reflete sobre como sua visão colocou jovens pintores britânicos no caminho da arte moderna.

A mostra, dividida em duas partes, traz em um primeiro momento essa descoberta do cenário artístico britânico que tanto o inspirou, como ele alegremente compartilhava com Theo, seu irmão mais novo, com quem trocava cartas frequentemente. Já a segunda parte resgata a relação dos britânicos com o artista.

Detalhes da obra A Arlesiana (1890)

MUITA GENTE, PISOS DESGASTADOS

Após a Segunda Guerra Mundial, o Tate Britain organizou uma mostra dedicada ao artista. As filas foram enormes e os jornais escreveram que as pessoas estavam famintas pelas cores de Van Gogh. À época, a administração do museu fez um pedido de verbas para restaurar o piso do prédio após o grande número de pessoas que passou por ali em busca dos girassóis do pintor pós-impressionista. Será que esta exposição fará tanto sucesso quanto?

Veja outras curiosidades sobre Van Gogh e o Tate Britain no site do museu e claro, não deixe de conferir essa exposição se estiver em Londres!

Via.

Mariana é jornalista e comunicadora. Adora descobrir novos lugares, explorar a cidade a pé e andar sem pressa. Se interessa por viagem, cultura e tudo o que é novidade. Escreve um blog sobre meio ambiente, sustentabilidade e consumo consciente. Também se dedica a cozinhar, como forma de prazer e arrisca novas receitas no tempo livre.

Mariana – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários