Prédio da escola de Bauhaus em Dessau

Modernismo, minimalismo, formas planas e retangulares. Uma das escolas mais emblemáticas de arquitetura e design, a Bauhaus comemora 100 anos em 2019. A instituição avant-garde ativa de 1919 a 1933 na Alemanha, inaugurada pelo arquiteto alemão Walter Gropius, comemora seu centenário como uma das escolas artísticas mais marcantes da era moderna.

A Bauhaus mudou paradigmas, trazia a beleza descomplicada e era o oposto de um estilo cheio de ornamentos excessivos, em alta na época da Europa pós-guerra. Ali, o aluno aprendia sobre proporção, escala, ritmo, luz, sombra e cor, além de experimentar diversos materiais e instrumentos. Depois de três anos de aprendizado, alcançava o título de mestre da Bauhaus.

Em comemoração ao centenário, selecionamos 10 curiosidades interessantíssimas que (provavelmente) você não sabia sobre a escola mais famosa do mundo que, desde 1996, está sob a proteção da UNESCO. Confira:

100 ANOS DE BAUHAUS

1 – Em 1925, por causa de diferenças políticas com o governo da cidade de Weimar, a escola se mudou para Dessau, onde viveu seu auge. A Bauhaus passou a ser perseguida pelos nazistas sete anos depois, acusada de espalhar ideais esquerdistas. Para fugir, o então diretor, Mies van der Rohe, a instalou em Berlim. A experiência durou cerca de um ano. O regime nazista fechou de vez as portas da Bauhaus, em 1933, forçando muitos professores e alunos a fugir da Alemanha.

2 – Na cidade de Weimar nos anos 20, quando as crianças não obedeciam, dizia-se: “Se você não se comportar vai para a Bauhaus”. Na época, a escola era tida como o lugar onde viviam os “loucos”, que dançavam pelas ruas em coloridos trajes de teatro e pintavam quadros com triângulos, círculos e quadrados.

Festa a fantasia na Bauhaus na década de 1920 eram criadas para estimular a criatividade dos alunos e experimentação dos materiais. (Foto de Karl Grill – Via The Charnel-House)

3 – A Bauhaus foi a primeira escola de design do mundo. Em alemão, era conhecida como “a casa para construir” ou “a casa da construção”, o que conduz a ideia de que o aprendizado e o objetivo da arte interligavam-se nesse espaço. Na Bauhaus, ensinava-se arquitetura, design, arte, mas também a dançar, costurar, pintar, soldar, esculpir. Todas as artes eram questionadas com relação ao novo século industrial que começava. Ali foi desenvolvido um modelo de ensino altamente experimental, que reinventava essa conexão entre arte e tecnologia.

4 – Com a escola, Walter Gropius pretendia formar novas gerações de artistas, sem haver distinções de classe e hierarquia. O que era produzido e estudado na instituição influenciou a estética moderna, funcionalista e consequentemente, o que é ensinado hoje em dia nas escolas de design mundo afora. Alguns professores da Bauhaus eram os artistas Paul Klee e Wassily Kandinski.

Obra do famoso artista Kandinski

5 – Nascido na Holanda em 1917, o movimento De Stijl exerceu forte influência estética na Bauhaus, foi daí que surgiu o geometrismo em cores primárias de Mondrian, que foi claramente apropriado pela indústria.

6 – A marca Yves Sant Laurent em 1965 trouxe um vestido inspirado nas mesmas composições. O frasco do perfume Chanel Nº 5, de visual clean, também revolucionou o design moderno por meio da Bauhaus. Anos depois, em 2008, a Nike lançou um modelo de tênis nas cores das obras que imortalizaram Mondrian. Esses são só apenas alguns exemplos.

Modelo de vestido criado por Yves Sant Laurent em 1965 inspirado em Mondrian.

7 – Atualmente a Universidade Bauhaus localizada em Weimar é uma das melhores universidades da Alemanha. A instituição conta com cerca de 4.080 estudantes de 70 países. Desde 1996, os prédios da Bauhaus em Weimar e Dessau são Patrimônio Mundial da Humanidade.

Bauhaus-Universität de Weimar

8 – A Bauhaus propunha uma arte diretamente ligada aos interesses da indústria, que unisse a beleza com a funcionalidade, que levasse em conta o lado prático e econômico. Foi na escola que nasceu o desenho industrial que conhecemos hoje. Arranha-céus, casas residenciais, móveis, utensílios de cozinha, arte abstrata, escultura, automóveis: o legado da Bauhaus se faz presente na vida cotidiana do mundo até hoje, um século depois.

Interior de Casa – Walter Gropius, 1938

9 – Situado próximo à escola em Dessau (Alemanha), um prédio que foi construído como dormitório e residência para seus alunos, a Prellerhaus, concluído em 1926, com uma impressionante fachada de vidro, é considerado uma obra-prima da arquitetura modernista. O local foi reformado em 2006, a edificação foi restaurada e devolvida ao seu estado original para fins de hospedagem. O projeto preocupou-se em recriar a atmosfera de criatividade vivenciada pelos alunos, especialmente nos estúdios individuais e está aberto hoje como um hotel. A experiência é interessante para quem se interessa pelo estilo!

Cômodos restaurados da Prellerhaus, onde você pode se hospedar atualmente!

10- Apesar de não ser um fã declarado da Bauhaus, muitas das construções de Oscar Niemeyer são inspiradas nos preceitos da escola alemã. Os prédios idênticos da Esplanada dos Ministérios em Brasília, com suas janelas em fita, ângulos simples e sem ornamentos, são um exemplo clássico da arquitetura reprodutível pregada pelo movimento. Os edifícios residenciais também – tanto que é fácil encontrar edificações semelhantes reproduzidas em diferentes quadras da cidade.

Para saber mais: A Alemanha comemora em 2019 100 anos de Bauhaus e inúmeros eventos acontecem pelo país e pelo mundo para celebrar. Confira aqui.

*Este post foi criado exclusivamente para o Blog Todeschini. Todo mês você encontra essas e outras matérias incríveis do FTC por lá! Vale a pena acompanhar!

*Hey! Este conteúdo recebeu incentivo da empresa, isso apenas nos permite produzir mais e melhor. Em nossos conteúdos feitos em parceria, só entram marcas e produtos que a gente realmente gosta! ♥︎

Carol T. Moré é editora do FTC. Internet, café, todo tipo de arte, viagens e pequenos detalhes da vida a fazem feliz. Acredita que boas histórias e inspirações transformadas em pixels conectam pessoas.

Carol T. Moré – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários