Publicação reúne histórias de mulheres que desafiaram padrões com suas ações e nos convida à reflexão

Você consegue pensar em um discurso feito por uma mulher? É com essa frase que começa a introdução do livro So Here I Am, uma publicação em inglês que reúne discursos memoráveis feitos por mulheres ao longo da história.

No mesmo texto, a autora Anna Russell conta um pouco a respeito do processo de tornar essa publicação realidade. Ela compartilha com os leitores como a pergunta “Você se lembra de algum discurso feito por uma mulher?” passou a saltar de sua boca para colegas, familiares e até estranhos, com um tom quase de trívia.

Aos poucos, saltava na memória dessas pessoas algumas ideias, como tentar lembrar algo dito por Virgínia Woolf ou se recordar do nome da mulher que fez uma declaração na convenção de Seneca Falls, um marco pelos direitos das mulheres.

Ao longo do livro, é possível ter uma dimensão do feminismo, tão falado hoje em dia, mas que pode ser visto em discursos feitos há séculos. A luta feminina por conquista de espaço está estampada em todo o livro. Um exemplo é de quando a abolicionista Fanny Wright, em 1829, falou publicamente sobre a importância da educação para audiências compostas por homens e mulheres. Ela foi zombada e denunciada como prostituta.

Também entendemos a dificuldade inicial da autora em encontrar registros históricos de algumas falas mais antigas, até chegar aos discursos mais atuais que acabam repetidos à exaustão nas redes sociais. E algo interessante é observar a interseccionalidade entre os discursos, temas recorrentes e palavras que foram inspiradas nas ideias de outras mulheres.

Nomes como Helen Keller, Elizabeth Candy Stanton, Huda Sha’arawi e Eleanor Roosevelt encontram-se próximos a textos de Emma Watson, Malala Yousafzai, Michelle Obama e Gloria Steinem. No total, são 54 discursos feitos por mulheres ao longo da história, resgatados e agora para sempre registrados no livro So Here I Am.

Por aqui, ficamos ainda mais animadas com esse trabalho quando descobrimos que as ilustrações do livro são feitas pela brasileira Camila Pinheiro. Formada em moda, a designer começou a se dedicar exclusivamente às ilustrações em 2017. O convite para fazer parte do projeto do livro partiu da editora, que encontrou afinidade entre sua ideia e as ilustrações de Camila.

Nós conversamos com ela para entender como foi fazer parte desse projeto revolucionário. Confira algumas perguntas:

ENTREVISTA CAMILA PINHEIRO

FTC: Qual foi o maior desafio desse projeto e o que foi mais gratificante para você?

Foi trabalho duro, puxado mesmo, essa foi a parte mais difícil, eu tinha que trabalhar muitas horas por dia, mas ao mesmo tempo, eu ganhei muita prática e também evolui no desenho. O mais gratificante para mim foi fazer parte desse projeto maravilhoso com alcance mundial e trabalhar com uma equipe muito profissional, com a editora Philippa Wilkinson e a autora do livro Anna Russell. Eu já admirava o trabalho dela na revista The New Yorker e agora admiro ainda mais.

Confesso também que acabei conhecendo a história de algumas mulheres que eu não conhecia e seus discursos inspiradores.

FTC: Você pode contar um pouco sobre como foi o processo criativo para esse livro? Demandou pesquisa sobre as personagens, busca por novas técnicas, etc?

Sim, demandou muita pesquisa. O mais difícil é que muitas mulheres, principalmente as mais antigas, quase não tinham fotos disponíveis. Tive que pesquisar as roupas das épocas, mas a editora me deu bastante suporte me passando referências, o que foi essencial para o meu trabalho.

Quanto à técnica, não teve mudança. Eu tive somente que adaptar um pouco o meu estilo porque até então o meu trabalho era mais minimalista e um pouco mais abstrato e para o livro eles me pediam um desenho mais detalhado.

FTC: Qual a influência das cores nos seus trabalhos?

Cor é essencial para mim. Não sou nem um pouco comedida nesse assunto, gosto de cores vibrantes e muita cor. Cor é vida para mim.

FTC: O livro traz um assunto bem importante para os dias de hoje, que é falar sobre mulheres e resgatar suas memórias e grandes feitos. Como você enxerga o impacto que essa publicação pode ter na sociedade hoje?

Esse livro vai ajudar as mulheres de hoje a olhar para trás e valorizar todo o sacrifício que essas mulheres e muitas outras tiveram que fazer no passado para que hoje nós pudéssemos ter mais voz, espaço, respeito e igualdade de direitos. Eu sei que, infelizmente, essa batalha ainda não está totalmente vencida, temos muito o que conquistar. Por isso, acredito que esse livro poderá servir de inspiração para muitas mulheres ao redor do mundo.

Por enquanto, So Here I Am está disponível apenas em inglês, mas com edições confirmadas em espanhol, alemão e coreano. Vamos torcer para também ter uma edição em português!

Se você se interessou pelo livro, So Here I am está disponível para compra no site da Amazon. Acompanhe o trabalho de Camila Pinheiro no Instagram.

Mariana é jornalista e comunicadora. Adora descobrir novos lugares, explorar a cidade a pé e andar sem pressa. Se interessa por viagem, cultura e tudo o que é novidade. Escreve um blog sobre meio ambiente, sustentabilidade e consumo consciente. Também se dedica a cozinhar, como forma de prazer e arrisca novas receitas no tempo livre.

Mariana – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários