A ideia do projeto ‘Instanovels’ é tornar os livros acessíveis ao maior número de pessoas e revolucionar a forma como lidamos com as redes sociais

Não há dúvidas de que as redes sociais são ferramentas poderosas no mundo globalizado. Hoje em dia a presença digital é muito forte e se faz necessária não apenas para pessoas comuns, mas também – e principalmente – para marcas e empresas. Quem souber usufruir das redes sociais para falar com o seu público já está muito à frente daqueles que não fazem isso.

Um exemplo muito interessante é o investimento feito pela Biblioteca Pública de Nova Iorque no Instagram. A biblioteca passou a usar os mecanismos disponíveis na rede social para incentivar o hábito da leitura nas pessoas, mesmo pela internet. Assim, foi lançada a série InstaNovels, com o intuito de divulgar integralmente alguns títulos para leitura.

O primeiro livro escolhido foi “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll. Usando recursos como ilustrações, feitas por Magoz, e páginas animadas, a obra está salva nos stories da NYPL e pode ser acessada a qualquer momento. Em um primeiro momento foram divulgados seis dos doze capítulos do livro e posteriormente, o outros seis.

O projeto é realmente inovador e muito bem feito. E é claro, há muito estudo por trás de tudo para captar a atenção dos usuários. Por exemplo, a fonte usada para os textos é a Georgia, que segundo o site da biblioteca de NY, foi uma das primeiras fontes serifadas projetadas para telas, para fazer com que textos mais longos se tornassem mais agradáveis de se ler.

Outro recurso muito legal é um pequeno espaço deixado em cada página onde o leitor pode descansar o dedo. Segurar a tela é importante nos stories para ler textos longos ou olhar uma imagem mais detalhadamente, já que essa ação “congela” a tela, permitindo que a pessoa veja o conteúdo com mais tempo do que os poucos segundos que o Instagram determina.

Assim também parece que o leitor está segurando a página do livro, como fazemos com o volume físico. Um último recurso que pretende aproximar a experiência de leitura digital da leitura física é em relação às páginas. O tom de branco escolhido para o fundo da tela é mais caloroso, o que cansa menos o olhar.

“Esse projeto está alinhado com a missão da Biblioteca de tornar o conhecimento do mundo acessível a todos. É muito conveniente que uma das obras que estamos usando seja A Metamorfose, porque em colaboração com a agência Mother, nós estamos transformando completamente o modo como as pessoas olham para essa popular rede social e estamos reimaginando a maneira com que as pessoas têm acesso aos clássicos da literatura”, disse Carrie Welch, chefe de Relações Externas da NYPL.

Após “Alice no País das Maravilhas”, as próximas obras previstas para serem digitalizadas e publicadas no Instagram são “O papel de parede amarelo,” uma pequena história de Charlotte Perkins Gilman, que será ilustrado por Buck, e “A Metamorfose”, de Franz Kafka, ilustrado por César Pelizer. Todos esses projetos são feitos em parceria da NYPL com a agência Mother in New York.

Se você adora leitura online, não deixe de baixar o aplicativo SimplyE, projetado pela Biblioteca Pública de Nova Iorque. Com ele, é possível baixar milhares de títulos de domínio público e ter acesso a boas leituras!

E não deixe de acompanhar esse projeto incrível seguindo a página da NYPL e lendo os InstaNovels no Instagram. Aproveita e compartilha com os amigos e familiares!

Via/ Via

Mariana é jornalista e comunicadora. Adora descobrir novos lugares, explorar a cidade a pé e andar sem pressa. Se interessa por viagem, cultura e tudo o que é novidade. Escreve um blog sobre meio ambiente, sustentabilidade e consumo consciente. Também se dedica a cozinhar, como forma de prazer e arrisca novas receitas no tempo livre.

Mariana – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários