follow-the-colours-moda-conscientepexels-photo-25641

Nós aqui temos falado cada dia mais sobre slow fashionconsumo consciente, principalmente na moda. Já trouxemos insights sobre marcas minimalistas, sem amarras, moda vegan-friendly, sobre UpCycling, economia compartilhada, entre outros assuntos tão pertinentes nos dias de hoje.

Mas foi depois de assistir ao documentário “The True Costque realmente percebemos que estávamos olhando somente a ponta do iceberg. The True Cost (disponível no Netflix) traz à tona a dura realidade da indústria fashion. Você já parou pra se perguntar como aquela roupa que você compra na loja fast fashion mais próxima pode ser tão barata? Qual é de fato o real custo dela?

Existem inúmeras maneiras de se baratear uma peça e o documentário mostra justamente isso: as condições de vida dos trabalhadores, o impacto real causado ao meio ambiente, as doenças causadas pelas químicas utilizadas no beneficiamento das roupas, entre muitos outros problemas. Aliás, aqui tem uma excelente percepção sobre tudo isso – rolou identificação em gênero, número e grau.

follow_the_colours_slow_fashion_truecost1

boa notícia é que tem uma galera por aí que está fazendo a diferença no mercado. Cada vez mais surgem marcas legais na onda do Slow Fashion – conceito na contramão do fast fashion, que é a produção em larga escala que (muitas vezes) deixa a desejar também na qualidade de matéria prima e mão de obra.

Gente bonita (e brasileira) produzindo moda bonita, e ao mesmo tempo, com consciência dos impactos econômicos e sociais. É a humanização do processo de produção. É moda com história. É roupa autoral, única, atemporal e de qualidade. Trazemos hoje então, duas marcas que conhecemos recentemente, que abusam disso e prometem inovação, design e criatividade. Confira:

OMINIMO – Moda Transformável 

follow_the_colours_slow_fashion_minimo2

A OMINIMO nasceu pelas mãos do designer Rafael Korbes em março de 2016 e foi criada para questionar o vestir, propondo um novo olhar para o consumo, “mais intuitivo, fluido e aberto à diversidade”. Esse conceito foi traduzido em uma moda transformável e multifuncional onde as peças podem ser usadas de mais de um jeito. Rafael acredita que hoje, já não faz mais sentido ter um armário abarrotado de roupas.

Sem se prender a coleções, ele produz as novas peças que vão sendo agregadas a uma família de produtos. A produção é local e pequena e os produtos são pensados de maneira a otimizar o seu ciclo de vida, tornando-o maior do que a maioria das peças geralmente possuem e transformando-se conforme a necessidade de quem usa.

follow_the_colours_slow_fashion_minimo5

As peças da OMINIMO podem ser usadas de 20 maneiras diferentes. No canal da marca no Youtube são disponibilizados vários vídeos que mostram essas diferentes maneiras de se usar. Legal, não? Confira a loja virtual.

follow_the_colours_slow_fashion_minimo4

follow_the_colours_slow_fashion_minimo3

follow_the_colours_slow_fashion_minimo1

TRICOMA – Exclusividade, qualidade e originalidade handmade 

follow_the_colours_slow_fashion_tricoma1

Criada há um ano pela artista plástica Aline Arcuri Lima, a Tricoma, como o próprio nome sugere, produz suéteres e cardigans (dupla face) feitos em tricôs. As peças são limitadas, numeradas e produzidas somente por encomenda. A ideia de Aline era gerar uma discussão sobre temas como consumo consciente e estilo de vida sustentável sempre guiada pelo Slow Fashion, justamente para ir na contramão da fabricação de roupas massivas e de baixa qualidade.

Todos os produtos da TRICOMA são fabricados utilizando matéria prima nacional e os profissionais envolvidos na sua produção são remunerados de forma justa. Além de tudo, as peças carregam um outro conceito super legal: o “No Gender”- criadas pra vestirem perfeitamente tanto homens, quanto mulheres, inclusive de todas as idades e tamanhos.

follow_the_colours_slow_fashion_tricoma4

follow_the_colours_slow_fashion_tricoma2

“Pautados pela exclusividade, qualidade e originalidade, a marca faz parte de um movimento que chegou para questionar e inovar a relação de consumo no mercado de moda brasileiro. Chegou a hora de repensar o consumo desenfreado de uma maneira geral, estamos destruindo o planeta e esgotando todo tipo de matéria prima ainda disponível”, diz a fundadora da Tricoma.

follow_the_colours_slow_fashion_tricoma3

Confeccionadas em uma pequena malharia no sul de Minas Herais, as peças são criadas com a missão de revolucionar a relação consumo no mercado x moda brasileira.

follow_the_colours_slow_fashion_tricoma6

E você? O que acha dessas novas marcas Slow Fashion que estão surgindo a cada dia? Conhece alguma? Já é adepto do conceito? Conta pra gente!

Referências do texto: ModeficaEstilo Uol. Imagem topo: Pexels.

Gabi Zuri é sagitariana, colorida, pinta, borda e finge que cozinha. Produtora e professora de moda e fotografia, é apaixonada por história, aquarelas, figurino, gatos, além de ter certeza que um dia vai rodar o mundo.

Gabriela Zuri – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:
Comentários