Da digissexualidade ao micélio e à magia dos cogumelos, os especialistas globais da WGSN revelam o que as tendências para 2021 nos reservam

O fim de 2020 chegou mas a pandemia ficou. Muitas coisas mudaram e quem não foi impactado pelo Coronavírus? Inovações digitais e sustentáveis ​empolgantes surgiram, comportamentos de consumo emergentes ficaram mais e mais notáveis. Para 2021 e além, a WGSN revela as 10 principais tendências para 2021, conforme definido pela equipe global de especialistas. Confira:

1 – OVOS SEM GALINHA

A questão sem resposta sobre o que veio primeiro – o ovo ou a galinha – logo se tornará obsoleta. A equipe de tendências da WGSN na parte de alimentos (Food & Drink) prevê que 2021 será o ano em que os ovos que não são de galinhas proliferarão globalmente, tornando o alimento alternativo à base de plantas de crescimento mais rápido. Esses novos substitutos do ovo vão muito além dos que já existem para reproduzir melhor a aparência, o sabor e a versatilidade usando proteínas vegetais. Em meados de 2020, o líder JUST Egg já havia vendido o equivalente a 50 milhões de seus ovos feitos com feijão-mungo verde (feijão-moyashi) e está preparando um IPO (oferta pública de ações) de expansão global. Já a marca Oggs Aquafaba no Reino Unido usa o grão-de-bico, enquanto a Zero Egg de Israel aproveita uma mistura de soja, batata, ervilha e grão-de-bico. Fique atento para a Evo Foods na Índia usando ingredientes vegetais nativos e a Clara Foods nos EUA empregando fermentação para sua alternativa a clara de ovo. As opções ‘sem ovos’ surgem por razões de saúde, bem-estar animal e sustentabilidade.

2. COR DO ANO: AI AQUA

Talvez não seja nenhuma surpresa que a Cor do Ano, segundo a WGSN, seja digitalmente compatível com tudo o que está acontecendo. Em março de 2019, segundo a Coloro, previu-se que AI Aqua teria relevância fundamental em 2021. A cor inspirada na tecnologia (Coloro: 098-59-30) “é uma tonalidade verdadeiramente versátil, uma tonalidade de azul inspirada no mar Egeu que traz qualidade digital e relevância”, explica a empresa. Nossa persona online é tão importante quanto nossa persona offline ultimamente e é aí que a AI Aqua oferece verdadeira versatilidade, além de ser imersiva e emocional. Pode até parecer esportiva e moderna, o que o torna perfeita para designs que habitam o espaço sem uma definição, mas também tem um verdadeiro apelo tecnológico. Uma pesquisa recente sobre os tons usados ​​nos maiores sites do mundo, traz o dado de que azul supera facilmente as outras cores, e os tons de azul usados ​​com destaque em tecnologia devem se tornar cada vez mais imersos no nosso cotidiano. O AI Aqua é um tom que ainda ativa o foco e a clareza.

3. GENUINFLUENCIADORES

 

View this post on Instagram

 

A post shared by KNOX FROST ❄ (@knoxfrost)

Conheça os genuinfluenciadores, em breve – a apenas um toque de você. Os influenciadores evoluíram, mas continuarão a se tornar cruciais na sociedade. Eles serão cada vez mais empregados para espalhar a verdade a seus seguidores dentro de um ecossistema prejudicado cada vez pela desinformação. Olhe para a Finlândia, onde durante a pandemia 1.500 influenciadores foram essenciais com a tarefa de espalhar informações importantes sobre segurança do Covid-19. Começaremos a ver uma mudança dentro dos influenciadores virtuais, que surgem para compartilhar informações importantes e verdades em nome de grupos como a Organização Mundial da Saúde, que se uniu a Knox Frost durante a pandemia para incentivar doações e compartilhar atualizações úteis. Este novo tipo de narrativa séria se integrará de forma natural e perfeita ao conteúdo do estilo de vida cotidiano de cada um.

4. MÁSCARAS JECK

Jeck – a área do maxilar e do pescoço – é o novo ‘tech neck‘, a síndrome que traz rugas e papadas de tanto olhar ao celular ao inclinar a cabeça. Impulsionados pelo aumento do tempo gasto com o queixo para baixo em dispositivos e constantemente vendo nossos rostos na tela, dermatologistas e cirurgiões estéticos estão relatando uma demanda crescente por “ajustes” de mandíbula, pescoços e colos. Em 2021, isso se espalhará dentro das alternativas de uso doméstico, com os consumidores de beleza buscando produtos e dispositivos que entregam resultados de qualidade de salão. Máscaras hidratantes, como a 111Skin’s Celestial Black Diamond, que se estende além do rosto para tratar o pescoço e o colo, e máscaras específicas da área, como a Hydrogel Décolletage do The Light Salon e máscaras tipo sling sob o queixo que “firmam e elevam” queixo duplo, aumentarão em popularidade. As máscaras de LED digital também irão evoluir para lidar com os problemas chamados de jeck.

5. DIGISSEXUALIDADE

Forjar relacionamentos românticos reais usando a tecnologia se tornará mais normal do que nunca, como resultado do nosso mundo cada vez mais digital – particularmente à medida que a tecnologia amadurece e se torna mais inteligente. A WGSN identificou essa ‘atitude emergente’ no início de 2019, mas, como outras tendências, a pandemia acabou acelerando esse fenômeno porque as pessoas apostaram na tecnologia agora para ter mais conexões de amor, intimidade e apoio, pois a conexão humana foi afetada pelo distanciamento social. Aqueles que se identificam como ‘digissexuais’ utilizam tecnologias imersivas, como RV, IA e robótica, para cultivar um relacionamento sem a necessidade física ou emocional da presença de outros humanos. Ou, presumivelmente, para não ter seu emocional bagunçado. Será?

6. MICÉLIO E O EFEITO DOS COGUMELOS

Como já falamos aqui, estamos vendo os cogumelos se tornar um ingrediente importante em produtos de beleza, alimentos e bebidas. O micélio agora também ganha destaque como o principal material para 2021. Os cogumelos são a flora do micélio, uma parte vegetativa do fungo, massa de ramificação subterrânea fundamental para a agricultura regenerativa e absorção de carbono. Do couro de micélio é feito bolsas, sapatos e sofás, cogumelos cultivados para embalar vinho e velas, e espera-se que vá além do estágio experimental e cresça em grande escala, e isso não deve demorar muito. Adidas, Stella McCartney, Lululemon e Kering se uniram para investir em um novo biomaterial chamado Mylo – cada marca concordou em gastar grandes quantias de $ (cerca de sete dígitos) para aumentar a produção e criar uma cadeia de suprimentos para essa alternativa ao couro. As pessoas também estão cultivando seus próprios cogumelos e fazendas estão mudando vidas na África. Cogumelos medicinais irão florescer, sendo a psilocibina a última droga a ser legalizada no Oregon, EUA. Observe a magia do micélio se espalhar como… bem, como os cogumelos se espalham!

7. TÊNIS CIRCULARES

Você já ouviu falar em economia circular, onde os recursos são reutilizados continuamente sem desperdício? Agora, conheça o corredor circular, teoria aplicada em um sapato. A Adidas está testando o produto Ultraboost DNA Loop, um tênis que pode ser reciclado no final de sua vida e transformado em um novo calçado. Marcas menores especializadas em corrida, como On Running, estão lançando serviços de tênis de corrida por assinatura para iniciar a mudança para um sistema como um clube fechado, e a marca francesa Salomon criou pontos de coleta locais para seu primeiro tênis de corrida totalmente reciclável, o Index.01 (os tênis serão lavados e desmontados para que os materiais possam ser reciclados localmente e transformados em novo tecido ou pelotas de plástico para fazer outros calçados de desempenho, como botas de esqui).

8. BEBIDAS MOLECULARES

Não, não estamos falando do mundo da gastronomia molecular, de espumas e nitrogênio líquido – que muitos chefs chamaram de ‘molecular’ anos atrás. Estamos falando sobre o setor de ciência e tecnologia se aproximando das indústrias de bebidas alcoólicas, vinhos e café, oferecendo bebidas inovadoras feitas não de grãos, uvas ou sementes, mas de moléculas meticulosamente compostas. Usando a engenharia reversa, os empreendedores podem recriar um uísque envelhecido, um bourbon, um vinho moscato, um saquê aromático e uma boa xícara de café. Estes não são sintéticos, mas feitos com moléculas de plantas que recriam a experiência usando menos água, terra, carbono e tempo. A Endless West, de São Francisco, está na vanguarda dessa tendência com seus uísques Glyph, o vinho Gemello e saquê Kazoku, encontrados em mais de 800 locais nos Estados Unidos e Hong Kong. O Atomo Coffee em Seattle usa materiais vegetais reciclados como sementes e caules em sua recriação molecular do café, visando reduzir o desmatamento. E fique atento ao Gaba Labs, do Reino Unido, que desenvolve no momento uma nova bebida para adultos com a mesma sensação das alcóolicas, mas sem utilizar ‘etanol’, seus riscos e dores de cabeça.

9. DE CBD PARA CBN

Não é de admirar que o interesse pelos canabinoides continue a crescer com o aumento do estresse da vida diária. Em 2021, veremos novos compostos surgindo. Digite CBN canabinoide no Google. Outro derivado da planta cannabis, o CBN tem qualidades sedativas mais fortes do que o CBD, o que o torna particularmente relevante durante esta era pós-pandêmica, onde a ‘Covid-somnia’ (insônia provocada pelo Covid) e a ansiedade fazem parte da nova norma. Como o sono também é vital para um forte sistema imunológico, marcas de bem-estar como Kikoko, da Califórnia, e Slumber CBN, do Colorado, estão criando tinturas noturnas para tomar e gomas para ajudar no sono restaurador e melhorar a saúde e o bem-estar geral. Fique atento também à ‘estratificação de canabinoide’ em 2021. Semelhante à estratificação de fragrância em beleza, compostos como CBN, CBD e THC são misturados para aumentar seus benefícios individuais por meio do ‘efeito de entourage’ (existem centenas de fitoquímicos na planta de cannabis, todos trabalhando juntos para produzir seus efeitos. Sua sinergia é conhecida como o efeito entourage). Quem dera ser legalizado no Brasil!

10. ROBÔS DE ESTIMAÇÃO

Para combater a solidão, o isolamento social, o bloqueio, consumidores buscaram novos companheiros: plantas, animais de estimação e até robôs. Com a vida solo em ascensão, os companheiros eletrônicos devem crescer, proporcionando conexão social, alguém para conversar quando voltar para casa, sem nenhum compromisso de longo prazo. Os robôs também se tornarão cada vez mais parte da casa da família, à medida que os consumidores deixam de se relacionar com o aspirador-robô e passam a ter um amigo-robô que pode equilibrar as listas de compras, apoio aos pais idosos, ajudar no bem-estar emocional das crianças. Por esta razão, a tecnologia será construída com personalidade e psicólogos serão trazidos a bordo para projetar personagens e empatia para as máquinas, levando a relação homem-tecnologia a um próximo nível.

Carol T. Moré é editora do FTC. Internet, café, todo tipo de arte, viagens e pequenos detalhes da vida a fazem feliz. Acredita que boas histórias e inspirações transformadas em pixels conectam pessoas.

Carol T. Moré – já escreveu posts no FTCMAG.



Comentários