Independente da religião, não é de hoje que fachadas de igrejas chamam atenção. Pelo mundo todo, igrejas se tornaram pontos turísticos e são visitadas por inúmeros turistas por carregarem simbolismos, guardarem segredos e muita história.

Quando deixamos a arte sacra de lado e falamos em arquitetura moderna, é importante lembrar que muitos destes profissionais projetam igrejas que atendem às demandas contemporâneas e transformam estes espaços em verdadeiros templos de meditação.

As sagradas igrejas modernas renunciam aos motivos ornamentais das catedrais do passado – e em vez disso, empregam novos materiais e métodos para que os visitantes possam refletir e encontrar a sua paz.

São tantos projetos inspiradores que hoje você confere alguns aqui. Quem sabe na sua próxima viagem não coloca uma delas belas construções para ver de perto na sua listinha, hein?! Confira:

1 – Arquiteto: Shigeru Ban, Cardboard Cathedral, 2013

Christchurch, Nova Zelândia

Imagem: Forgemind ArchiMedia, via: Flickr

A Catedral de Transição de Christchurch (The Transitional Cathedral in Christchurch), Nova Zelândia, foi construída para substituir temporariamente (por um período de 50 anos) uma icônica catedral anglicana do século 19 depois de ter sido severamente danificada em uma série de terremotos, mais notavelmente o terremoto de magnitude 6,3 que devastou a cidade em 2011.

Conhecida como a “Catedral de Papelão” e projetada pelo arquiteto japonês Shigeru Ban – reconhecido internacionalmente por seu uso de papelão reciclado para abrigar vítimas em desastres de emergência – a igreja consiste em 98 tubos de papelão igualmente revestidos com poliuretano impermeável, retardadores de chama e oito contêineres de aço. A fachada do prédio é adornada com um mosaico colorido gravado com desenhos da catedral original.

2 – Arquiteto: E. Fay Jones, Thorncrown Chapel, 1980

Eureka Springs, Arkansas, Estados Unidos

Imagem: Bobak Ha’Eri, via Wikimedia Commons

Inspirado na Sainte-Chapelle de Paris, o arquiteto americano E. Fay Jones projetou esta capela – agora uma obra canônica da arquitetura americana – na floresta perto de Eureka Springs, em Arkansas. Para integrar a forma na paisagem que a cerca, Fay considerou que nenhum elemento de construção poderia ser maior do que dois homens conseguiriam transportar pela floresta.

Com sua estrutura vertical repetida e mais de 400 janelas de vidro, a capela é uma “floresta dentro de uma floresta”, transparente, que maximiza a luz natural, e tem como objetivo inspirar as pessoas a se conectarem com a natureza e com Deus.

Amigo íntimo do famoso arquiteto Frank Lloyd Wright, Jones, também nativo de Arkansas, tinha muito menos fama; sua personalidade era modesta fica evidente nas palavras inscritas na entrada da igreja: “Por favor, entre e sente-se por algum tempo, assim como você é.”

3- Arquiteto: Peter Zumthor, Bruder Klaus Field Chapel, 2007

Mechernich-Wachendorf, Alemanha

Imagem: Kateer, via Wikimedia Commons

Esta capela em um campo no interior da Alemanha presta homenagem a Bruder Klaus, o santo padroeiro (século 15) dos agricultores locais – o último que ajudou a construir o projeto do arquiteto suíço Peter Zumthor. É notável pelo seu novo método de construção: são vinte e quatro camadas de concreto que foram derramadas em uma estrutura de wigwam (tipo uma oca indígena) feita com 112 troncos de árvores, que foi então queimada, resultando em paredes chamuscadas e uma cavidade interna.

A cavidade aberta circular no centro da cúpula/teto permite que a chuva e a luz solar se infiltrem no espaço, criando atmosferas diferentes, dependendo do tempo e da hora do dia. (Em um dia ensolarado, o buraco se assemelha ao brilho de uma estrela, uma alusão à visão de Bruder Klaus no útero.)

“Para mim, os prédios podem ter um belo silêncio que eu associo a atributos como compostura, auto-evidência, durabilidade, presença e integridade, e com calor e sensualidade também”, disse Zumthor. “Um prédio que está sendo apenas um prédio, não representa nada, apenas está sendo.”

4 – Arquiteto: Eero Saarinen, North Christian Church, 1964

Columbus, Indiana, Estados Unidos

Imagem: Greg Hume, via Wikimedia Commons

Durante os estágios de planejamento de sua Igreja Cristã do Norte, o arquiteto Eero Saarinen lamentou o crescente rebaixamento da arquitetura religiosa contemporânea a espaços secundários dentro de grandes complexos. “Hoje, há salas de aula dominicais e salas de confraternização, cozinhas, ginásios e salas de dança quadradas e assim por diante… A própria igreja se tornou uma coisinha insignificante e quase esquecida”, disse ele.

Para resolver esse problema em seu projeto para a igreja – o último edifício que ele projetou antes de sua trágica morte em 1961 -, Saarinen isolou todas as funções secundárias do chão sob o espaço central do culto. O plano do edifício consiste em um hexágono com pilares em cada canto convergindo no topo do telhado, que sobe para dentro de um pináculo coberto com uma pequena cruz de ouro.

5 – Arquiteto: Tadao Ando, Church of the Light, 1989

Osaka, Japão

Imagem: Chris HE, via Flickr

Concluída em 1989, a Igreja da Luz construída por Tadao Ando foi comissionada como parte da primeira fase de um redesenho de um complexo cristão em Ibaraki, um subúrbio residencial de Osaka, no Japão. (Uma escola de Ando foi posteriormente adicionada ao complexo em 1999.)

A falta de adornos ou ornamentos dentro da estrutura, que é composta de pesadas paredes de concreto e amplamente desprovida de imagens cristãs tradicionais, resulta em um espaço sereno e contemplativo.

“Eu desenho espaços fechados principalmente por meio de grossas paredes de concreto”, disse Ando uma vez. “A principal razão é criar um lugar para o indivíduo, uma zona para si mesmo dentro da sociedade.” A Igreja da Luz é um excelente exemplo do uso de luz assinado por Ando para moldar a percepção espacial. O único motivo religioso dentro do edifício é um vazio na forma de uma cruz que foi cortada na fachada leste, onde entram raios de sol no interior escuro.

6 – Arquiteto: Oscar Niemeyer, Catedral de Brasília, 1970

Brasília, Brasil

Imagem: Joana França, via Wikimedia Commons


O visionário arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer foi selecionado para projetar os primeiros edifícios em Brasília, a metrópole futurista que substituiu o Rio de Janeiro como a capital do país no final dos anos 50. “Até Brasília, eu considerava a arquitetura um exercício para ser praticado com espírito esportivo e nada mais”, disse Niemeyer. “Agora eu moro em Brasília.”

Junto com os edifícios do Palácio Presidencial e do Ministério da Justiça, Niemeyer projetou a impressionante catedral da cidade com uma estrutura hiperbolóide composta de 16 colunas de concreto que se irradiam, parecendo duas mãos estendendo-se para os céus, ou, segundo alguns relatos, uma coroa de espinhos. No interior, o teto de 360 graus é decorado com vitrais de águas-marinhas, e três anjos alados pairam sobre a nave. Do lado de fora, um grupo de estátuas figurativas conhecidas como os Quatro Evangelistas montam guarda. Niemeyer recebeu o Prêmio Pritzker de Arquitetura pela catedral em 1988.

7 – Arquiteto: Javier Sordo Madaleno Bringas, Igreja de San Josemaría Escrivá, 2008

Cidade do México, México

Imagem: Architizer

O arquiteto mexicano Javier Sordo Madaleno Bringas projetou a igreja de San Josemaría Escrivá, localizada na Cidade do México, utilizando uma arquitetura completamente moderna. No interior, a iluminação é natural vinda de um vão entre as paredes curvas.

O conceito de design começou com a repetição de sete retângulos dourados, sobre os quais são traçadas duas linhas curvas que se referem ao tradicional símbolo Ichthus (peixe, um dos símbolos do cristianismo). Estes se levantam em linhas retas fixadas em uma diagonal para formar uma cruz de luz.

Do lado de fora, esta união geométrica forma dois mantos curvados revestidos com painéis de zinco. Estes geram texturas interessantes à medida que o sol se move durante o dia. No interior, as paredes são revestidas com tiras de madeira que se adaptam às curvas que se erguem sem se tocar e permitem a entrada de luz.

8 – Arquitetos: Olson Kundig, Igreja Luterana de Gethsemane,

Seattle, Estados Unidos


Imagem: Burnside Chris

Os arquitetos da Olson Kundig reformaram um prédio dos anos 50 no centro de Seattle para aumentar a presença já significativa da Igreja Luterana de Gethsemane e chamar atenção para seus programas adicionais de culto, habitação/sociais junto à população local.

A empresa americana ficou encarregada de reconstruir o exterior e o santuário principal da igreja, bem como o projeto do jardim da capela e do centro de vida da paróquia. As paredes externas do 1º andar foram revestidas com faixas verticais em vidros e metal multicoloridos. A integração das cores com os raios do sol na janela trouxe tons quentes e resultou na mudança de padrões que são refletidas no interior, formando uma tapeçaria visual de tons que está constantemente respondendo à mudança da luz do dia.

A renovada Igreja inclui unidades habitacionais acessíveis às pessoas e além disso, um pequeno jardim de meditação que fica ao lado da capela e do salão de convivência, trazendo mais acessibilidade para os transeuntes.

*Este post foi criado exclusivamente para o Blog Todeschini. Todo mês você encontra essas e outras matérias incríveis do FTC por lá! Vale a pena acompanhar!

*Hey! Este conteúdo recebeu incentivo da empresa, isso apenas nos permite produzir mais e melhor. Em nossos conteúdos feitos em parceria, só entram marcas e produtos que a gente realmente gosta! ♥︎

Carol T. Moré é editora do FTC. Internet, café, todo tipo de arte, viagens e pequenos detalhes da vida a fazem feliz. Acredita que boas histórias e inspirações transformadas em pixels conectam pessoas.

Carol T. Moré – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários