Um arquiteto cego? Pois é, parece estranho pensar que uma profissão como arquitetura possa existir para uma pessoa que perdeu a visão. Porém Chris Downey não só faz isso muito bem como não é o único. A experiência arquitetônica é sobre sentir texturas, luz, temperaturas e outros aspectos além do que é possível enxergar.

Chris Downey perdeu sua visão há mais de 10 anos após a remoção de um tumor na cabeça e adaptou seu estilo de vida para continuar ativo. Aprendeu mais sobre si, seus outros sentidos e sobre as cidades também. Afinal ele conta que a cidade ideal parte de cegos e pessoas com deficiências. Isso faria com que tivessem calçadas mais largas, serviços acessíveis no próprio nível da rua, menos carros e mais transporte público de qualidade. Também faria com que as cidades tivessem menos poluição, pela diminuição de carros e que fosse mais inclusiva para todos os diferentes tipos de pessoas.

TED Talk de Chris Downey

Arquitetura para cegos nas cidades

Sendo assim, o arquiteto cego tem um escritório que transformou a forma de projetar. Possibilita que Chris participe ativamente do processo com plantas em braile e materiais que permitem “brincar” com as linhas, para criar edifícios que pensem nas pessoas que não conseguem enxergar. O desafio de projetar dessa maneira é bem difícil, mas traz melhores resultados na circulação do edifício, por exemplo. Tudo deve ser fácil de acessar e compreender para que todos os tipos de pessoas tenham uma experiência agradável no espaço.

Falando em tecnologias que ajudam cegos, confira essas pinturas clássicas impressas em 3D, como a Monalisa que permitem tocar a arte!

Chris Downey lendo planta em braile

Chris Downey usando materiais flexíveis em 3d para projetar | Foto por: Patricia Chang

Com isso, entende-se que a melhor maneira de fazer qualquer projeto seja pensando no todo, nas diferenças e nas características que nos fazem únicos. Porque é dessa forma que iremos ter cidades inteligentes que usam da tecnologia e dos serviços disponíveis para serem locais que nos permitem viver plenamente.

Chris e colegas no escritório

Eaí, curtiu? Siga-nos nas redes sociais e acompanhe o conteúdo! #ftcmag @ftcmag

Tereza Ribeiro é estudante de Arquitetura e Urbanismo com muito prazer e está sempre procurando aprender mais sobre um pouco de tudo, principalmente sobre cenografia, criatividade, inovação, filosofia, negócios e novas formas de viver. Regida sob novos desafios e convivência constante com a arte.

Tereza Ribeiro – já escreveu posts no FTCMAG.



Comentários