Poucas horas a oeste de Paris, esta charmosa região conta com uma combinação perfeita: inúmeros castelos, cidades históricas, lindas paisagens e gastronomia de excelente qualidade

O que vem em sua mente ao pensar em um “cenário de conto de fadas”? Castelos imponentes, com jardins impecáveis, em meio a verdejantes campos provavelmente formariam a resposta imagética à questão. Se quiser ir além na imaginação, completaria com vilas e cidadezinhas histórias construídas às margens de um rio. Pois não é que tem um pedaço da França que é a tradução perfeita desse quadro? E fica a uma curta distância de Paris! Ideal para uma road trip, uma viagem romântica ou até mesmo uma aventura em família, o Vale do Loire, conhecido como “a região dos castelos”, é um dos trechos mais encantadores e autenticamente franceses que você pode conhecer.

São tantos castelos espalhados por toda a área, que seria possível passar semanas explorando cada um deles. Mas como sabemos que o tempo de um viajante geralmente é mais curto, preparamos um roteirinho com o melhor do Vale do Loire para você aproveitar em até quatro dias. Embora dê para acessar as principais cidades da região (como Orléans e Amboise) de trem a partir de Paris, o ideal é que o itinerário seja percorrido de carro, única maneira de acessar os castelos mais isolados. Para os mais esportistas, dá para fazer o roteiro de bicicleta também, mas aí o tempo de deslocamento obviamente fica maior.

DIA 1 – DE PARIS A ORLÉANS

Tomando a capital francesa como ponto de partida, em menos de 2 horas você já se aproximará dos primeiros castelos do Vale do Loire. A região tem esse nome por estar espalhada ao longo do Rio Loire. É nas margens dele que ficam as principais cidades. Pouco antes de chegar em Orléans, nossa primeira parada, você pode parar para conhecer o Château de Chamerolles.

Construído no início do período renascentista, no Século XVI, e com alguns fortes traços remanescentes da Idade Média, como a existência de uma espécie de forte ao redor dele, o Château de Chamerolles nunca pertenceu à realeza. O responsável pela obra foi o governador de Orleàns na época, que também trabalhava para o Rei Luís XII. O castelo passou pelas mãos de outros governantes locais e de algumas famílias ricas, até ser destruído pelos nazistas durante a Segunda Guerra. Após anos de abandono, foi restaurado no final do Século XX pelo governo local, e hoje abriga em suas dependências um interessante museu que conta a história do perfume e dos hábitos de higiene. Vale destacar também seu agradável jardim.

Chamerolles não é dos castelos mais conhecidos da região, nem dos mais suntuosos. Mas justamente por isso, é uma forma bacana de começar o passeio pelo Vale do Loire. Sendo menos cheio que os demais, e o primeiro a ser visitado, acaba funcionando como uma boa introdução ao que virá a seguir.

A poucos quilômetros de Chamerolles, fica a cidade de Orléans, porta de entrada para o Vale do Loire, onde sugerimos que você se hospede na primeira noite. Dedique o resto do dia a um passeio sem compromisso por ela. Situada às margens do Rio Loire, tem um Centro Histórico charmoso e muito bem conservado.

O principal destaque vai para a Catedral de Orléans. Esta imponente construção em estilo gótico medieval, datada do Século XIII, lembra a Catedral de Notre-Dame de Paris. Também é famosa por ter sido palco de uma missa da qual participou Joana d’Arc durante a Guerra dos Cem Anos. A jovem protegeu a cidade durante a invasão inglesa, e hoje, os vitrais da catedral recontam a história da heroína francesa.

DIA 2 – CHAMBORD, CHEVERNY E BLOIS

A menos de uma hora de Orléans, fica a primeira parada do dia, e também o principal cartão-postal do Vale do Loire. Localizado dentro de um enorme parque, com uma área total de mais de 50 quilômetros (só para chegar com o carro da entrada dele até o estacionamento do castelo, dirige-se um bocado), a construção até hoje é o grande símbolo da região, aparecendo em 10 entre 10 materiais de divulgação do destino.

Combinando formas medievais francesas com estruturas clássicas italianas, o Castelo de Chambord, construído no século XVI sob forte influência do Renascimento, impressiona já do lado de fora, devido à sua imponente fachada, em meio a belos jardins. E ao adentrar sua parte interna, verificamos traços vivos da arquitetura renascentista. O maior exemplo é a escadaria em formato de dupla-hélice, peça central do palácio.

Vale do Loire

Sugerimos almoçar um lanche rápido nas imediações do castelo, para assim otimizar o tempo e seguir para a próxima atração do roteiro: o Château de Cheverny. A apenas 20 minutos de Chambord, este castelo é o mais lúdico e interativo de toda a região. O lugar ideal se você estiver viajando com crianças (e também muito indicado se for apenas um grupo de adultos, já que toda a propriedade é linda, e os jardins são um convite a um passeio romântico).

Vale do Loire

Vale do Loire

Vale do Loire

Construído no começo do Século XVII por Henri Hurault, Conde de Cheverny e também Tenente General do exército francês e Tesoureiro Militar do Rei Luís XI, o castelo pertence até hoje aos descendentes do proprietário original. Poupado durante os ataques à região no período da Revolução Francesa e da Segunda Guerra, a propriedade é uma das mais preservadas do Vale do Loire.

Da marcante fachada, em estilo clássico renascentista, ao seu interior com ambientes ricamente reproduzidos, o Castelo de Cheverny é um encanto! Em determinadas épocas do ano, como na Páscoa, ele ganha inclusive uma decoração temática.

Vale do Loire

Vale do Loire

Vale do Loire

Vale do Loire

Aliás, uma curiosidade bem interessante é que Cheverny serviu de inspiração para o Château de Moulinsart, de As Aventuras de Tintim. Reconhecem a semelhança?

É na parte externa da propriedade, aliás, que fica um museu interativo sobre Tintim e sua turma. Em algumas salas, é possível viver uma experiência imersiva nas histórias do famoso personagem fictício, um curioso jornalista e viajante belga, sempre na companhia de seu cãozinho, Milu.

Outros pontos imperdíveis em Cheverny são os canis da guarda real, com mais de 100 cães de caça; e seus maravilhosos jardins. Entre março e abril, aliás, eles ganham a ilustre presença de lindas tulipas.

Saindo de Cheverny, mais 20 minutos de estrada levam até a cidade de Blois, próximo ponto de pernoite. Esta é mais uma das charmosas e históricas cidades do Vale do Loire, ótima para bater perna e comer em um bom restaurante (como o excelente La Creusille, à beira do Rio Loire, onde fizemos uma das melhores refeições de toda a viagem.

Bem no meio do Centro Histórico, está o Château de Blois, que serviu como residência de vários reis da França. Esta grande propriedade é formada por diferentes edifícios ao redor de um grande pátio. As construções foram feitas entre os séculos XIII e XVII, misturando influências medievais e renascentistas em sua arquitetura.

Se você estiver em Blois entre os meses de abril e setembro, poderá ver o incrível show noturno de luzes e projeções que ocorre diariamente durante este período no castelo. Na apresentação, que conta com aparelhos de tradução simultânea em vários idiomas (inclusive português), são recontadas as histórias e os importantes eventos ocorridos na propriedade ao longo da história. Após servir como moradia de diversos reis franceses no período imperial, o castelo foi saqueado durante a Revolução Francesa, e deixado em completo estado de abandono até ser restaurado muito tempo depois.

DIA 3 – AMBOISE E O EPICENTRO DO RENASCIMENTO FRANCÊS

Vale do Loire

Saindo de Blois, após 35 minutos na estrada, chega-se a Amboise, cidade-síntese do Vale do Loire, que merece pelo menos uma noite de hospedagem, já que conta com excelentes opções de hotelaria. Este pequena e charmosíssima municipalidade às margens do Rio Loire serviu, durante a monarquia francesa, como local de moradia da Corte – em especial do Rei Francisco I, responsável pelo convite e pela vinda de Leonardo da Vinci para a região. O artista e inventor italiano viveu seus últimos anos em Amboise.

Da Vinci ficou confortavelmente instalado no Castelo de Clos Lucé, construído em meados do Século XV, no Centro de Amboise. O italiano transformou o castelo em sua morada e também em seu local de trabalho. A construção, muito bem preservada, apresenta elementos renascentistas como suas chaminés, e a fachada com tijolos cor-de-rosa e pedras brancas.

Hoje aberto para visitação, o Castelo de Clos Lucé permite uma verdadeira imersão na vida e obra de Da Vinci. Você pode andar pelos seus cômodos (inclusive pelo quarto onde o criador italiano morreu), vendo ainda hologramas representando o artista, e também maquetes com várias de suas criações como engenheiro – tais como protótipos de um antepassado do helicóptero, de um carro de combate e de uma escavadora. Anexo ao castelo, um agradável parque permite uma tranquila caminhada em meio a reproduções de criações de Leonardo.

Vale do Loire

Reza a lenda que uma passagem subterrânea secreta ligava o Château du Clos Lucé ao Château d’Amboise, residência oficial da realeza francesa, permitindo assim encontros secretos entre o Rei Francisco I e Leonardo da Vinci (a natureza de tais encontros permanece um mistério). Fato é que é no Castelo Real de Amboise (mais precisamente dentro da Capela de Saint-Hubert) que está o túmulo do multifacetado artista italiano.

Construído no topo de uma colina com vista para o Rio Loire e para o Centro de Amboise logo abaixo, o castelo teve sua construção iniciada no Século XI, tendo sido confiscado pela coroa francesa no Século XV. Foi a realeza que ampliou a construção e fez algumas modificações em sua arquitetura, adicionando alguns elementos renascentistas, como o bonito jardim que até hoje enfeita a propriedade.

O Castelo de Amboise foi seriamente danificado durante as Guerras Religiosas, e posteriormente, durante a Revolução Francesa e a Segunda Guerra, quando houve a invasão nazista. Após algumas obras de restauro, recuperou parte de sua imponência, e ainda hoje se destaca no meio da paisagem de Amboise. Andar pela propriedade permite observar lindas paisagens, aprender um pouco de história, e ainda conhecer o túmulo de Da Vinci.

Confira também a Rota do Renascimento Françês no Vale do Loire

DIA 4 – CASTELO DE CHENONCEAU E CHEGADA EM TOURS

 A apenas 20 minutos de carro de Amboise, fica outro tesouro do Vale do Loire. Além de ser o mais cênico de todos os castelos da região, com as famosas arcadas construídas sobre o Rio Cher, o Château de Chenonceau, também é o que tem a história mais interessante. Não à toa, é o segundo castelo mais visitado da França, perdendo apenas para o Palácio de Versalhes.

Apelidada de “Castelo das Sete Damas”, a propriedade teve influência direta de sete importantes mulheres em sua construção e posteriores reformas, e também na instalação de seus jardins. O local serviu ainda como hospital de campanha durante a Primeira Guerra Mundial, e esta parte mais recente de sua longa história é contada em um pequeno museu num anexo ao lado do edifício principal.

Uma visita a Chenonceau não é completa sem uma refeição no L’Orangerie, elegantérrimo restaurante localizado dentro dos domínios do castelo. Dependendo do horário da visita, você pode almoçar ou tomar o chá da tarde servido no local. Só não deixe de separar umas duas horinhas do dia para ter essa inesquecível experiência gastronômica.

De estômago forrado, é hora de seguir cerca de 35 minutos até a última parada do roteiro. Tours é uma interessante mistura de Centro Histórico super bem preservado com a vibração de uma cidade universitária. No trecho conhecido como Vieux Tours (“Velha Tours”), ficam as famosas casas medievais geminadas que se tornaram o cartão-postal da cidade. Ao redor dali, na praça e nas ruelas de paralelepípedo em volta, está o grande charme de Tours. Também nesta região fica o bom mercado local (Les Halles de Tours), ideal para comer um sanduíche na baguete preparado na hora; e não muito longe dali, está a Catedral de Tours, em estilo medieval.

DIA 5 – CASTELOS DE AZAY-LE-RIDEAU E VILLANDRY

Além de bater perna por Tours (fora o Centro Histórico, a cidade também conta com boas ruas de comércio), o último dia do roteiro seria dedicado a dois castelos imperdíveis: Azay-le-Rideau e Villandry.

Azay-le-Rideau é um charmoso castelo localizado no meio da cidade de mesmo nome. Construída entre 1518 e 1527, e edificada sobre uma ilhota do Rio Indre, a propriedade pertenceu a vários entes privados, até ser adquirida e reformada pelo governo francês no Século XX. Atualmente, o local está aberto para visitação, e é uma das atrações mais simpáticas e tranquilas para conhecer no Vale do Loire, contando ainda com um agradável jardim em volta do palácio. Cabe destacar o caráter interativo de algumas de suas salas, com objetos que ganham vida conforme o visitante se aproxima. Em algumas noites de verão, há um show de luzes e projeções nas paredes do castelo.

Vale do Loire

Vale do Loire

Vale do Loire

Vale do Loire

Vale do Loire

Vale do Loire

A apenas 15 minutos de carro de Azay-le-Rideau, fica o Château de Villandry. Concluído em 1536, foi o último dos grandes castelos construídos na região durante o período renascentista. No passado, a propriedade pertenceu a pessoas ligadas ao governo, até ser adquirido em 1906 pelo Dr. Joachim Carvalho, bisavô dos atuais proprietários, responsável por salvar o palácio da demolição e por ter criado os jardins que lá existem até hoje, em total harmonia com a arquitetura renascentista do palácio.

Vale do Loire

E são os lindos jardins em estilo renascentista a grande atração de Villandry. É possível passar horas e horas apenas observando a bela paisagem e caminhando tranquilamente em cada ala dos jardins – há desde um pequeno labirinto até um jardim de ervas e uma horta. Sabe aqueles lugares que você pode visitar em qualquer época do ano? Villandry é assim – a paisagem muda a cada estação, e não sabemos dizer qual é a época em que ela fica mais bonita. Veja, por exemplo, as fotos tiradas em diferentes visitas que fizemos, na primavera e no outono. Em algumas noites de verão, há um lindo show de luzes e projeções nas paredes do castelo.

Vale do Loire

Vale do Loire

Vale do Loire

Vale do Loire

Vale do Loire

Vale do Loire

Vale do Loire

Vale do Loire

Vale do Loire

Ideal tanto para uma viagem de lua-de-mel, quanto para quem quer conhecer mais a fundo a história francesa, ou para quem simplesmente curte apreciar paisagens encantadoras, o Vale do Loire é uma das regiões mais autênticas da França. Com um misto de castelos, campos, cidadezinhas charmosas, gastronomia de ótima qualidade e boas opções de hospedagem, e a uma curta distância de carro de Paris, é o lugar ideal para um roteiro inesquecível por um dos trechos mais especiais da Europa.

Ah, e se tiver mais tempo de viagem, uma boa ideia é juntar com alguns dias na região vizinha da Normandia, adotando o roteiro que sugerimos aqui.

GUIA PRÁTICO – VALE DO LOIRE

QUANDO IR: o ano inteiro, mas se pudéssemos recomendar uma época, seria o verão (apesar de ser o período mais cheio do ano, a região nunca fica tão abarrotada como Paris), seguido do outono e da primavera. Inverno tem lá seu charme, mas estará bem frio – e os jardins perdem boa parte do encanto.

VALE DO LOIRE – ONDE SE HOSPEDAR

Assim como há uma grande diversidade de coisas para fazer e lugares para visitar na região do Loire, a hotelaria também é bem ampla. Como fizemos nossa viagem de carro parando cada noite em uma cidade, tivemos três experiências diferentesEmpreinte Hotel, um hotel high end no centro histórico de Orleans; Château des Tertres, um château histórico, tradicional e afastado da cidade de Blois; e Hôtel Mirabeau, uma estadia moderna e mais acessível.

ORLEANS 

Encantador e muito bem localizado, o Empreinte Hotel fica às margens do rio Loire, que nomeia a região, e no centro histórico da cidade. Andar pelas ruas da redondeza é uma delícia e a catedral de Orleans é imperdível. Os quartos são amplos, bem confortáveis e quentinhos (venta bastante por ali), e o café da manhã vai te fazer querer ficar por mais tempo (nós quisemos).

ONZAIN 

Uma experiência francesa de verdade, especialmente no Vale do Loire, inclui a estadia em um dos châteaux da região. A propriedade é mais afastada, o que garante silêncio, e inclui uma floresta nos fundos. No Château des Tertres (próximo de Blois), o prédio em si é lindo e parece ter saído de uma cena de filme. Os donos (um casal) cuidam de tudo – do check-in ao café da manhã – e são super simpáticos. Definitivamente vale a pena!

TOURS 

Nossa última noite foi em Tours, uma cidade universitária e muito linda. Como sempre, vale caminhar pelas ruas do centro histórico, assim como pelas avenidas próximas ao hotel (dá mais ou menos 30 minutos de caminhada entre o centro histórico e o hotel). O Hôtel Mirabeau é mais simples e menor, especialmente quando comparado com os outros dois, mas tem um jardim que vale ser visitado, além do conforto que todos nós gostamos.

O FTC viajou com o apoio da Air France e do Escritório de Turismo do Vale do Loire. Esse post é resultado de um projeto exclusivo, visando trazer aos nossos leitores um conteúdo único e com olhar diferenciado sobre um dos principais destinos turísticos do mundo. O FTC tem total controle editorial e opinião própria sobre o conteúdo publicado.

O FTC também conta com o trabalho especializado da Planejante para a elaboração dos roteiros personalizados de nossas viagens. 

Fabio Calderon é jornalista de formação, e desde cedo enveredou pelo caminho sem volta das viagens mundo afora. Da Disney à Ásia, não há destino que escape de sua wishlist. Atualmente, comanda a Planejante, agência e consultoria de viagens especializada em roteiros personalizados. Entre suas paixões, além da vida nômade, estão as experiências gastronômicas (de ceviche a hambúrguer, passando por noodles e sorvete), museus, passeios ao ar livre, road trips, e qualquer coisa que seja sinônimo de liberdade e pé na estrada.

Fabio Calderon – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários