Atualmente muitas pessoas estão interessadas em comprar casa em Portugal, principalmente como maneira de investir no país. Uma facilidade bem atraente são os financiamentos dos bancos portugueses. Mas antes de avançar para um simulador de crédito habitação em Portugal, saiba que a realidade é diferente do Brasil.

MORAR EM PORTUGAL: UMA REALIDADE CADA VEZ MAIS FREQUENTE

Segundo o relatório anual sobre imigração do 1º semestre de 2019, o total de brasileiros residindo legalmente em terras lusitanas ultrapassou 100 mil. Em média, 6 brasileiros por hora conseguem a autorização para morar em Portugal.

Mas quais são os atrativos do país? Por que o número de brasileiros migrando para Portugal só aumenta? Existem leis que favorecem essa migração? Se esse sempre foi o seu sonho, saiba que nem tudo são flores, mas quando falamos em burocracia, temos vantagens!

São diversos os motivos que levam os brasileiros a Portugal. Muitos já tem o sonho de morar na Europa e a língua facilita bastante. Segurança, estudo, trabalho e economia são os principais motivos. Mas existem outras coisas que são pontuadas por quem já mora lá como a proximidade das cidades e de outros países, os valores dos produtos nos mercados que são ótimos, e por mais que o país seja repleto de construções antigas, a infraestrutura das cidades é boa.

Outra coisa: os brasileiros podem pagar o mesmo que um português para desfrutar do sistema de educação superior. Também é possível se aposentar e viver em Portugal com o salário do Brasil, evitando a bitributação. Com o cenário em constante crescimento, investir em Portugal é o desejo de muitos.

Os empregos estão em alta. O país precisa de mão de obra, seja ela qualificada ou nem tanto, afinal, a população portuguesa está envelhecendo e não há tantas pessoas no auge da produtividade, seja ela intelectual ou braçal. Então, há vaga para quem trabalha com atendimento, turismo, tecnologia da informação e construção civil, por exemplo. E principalmente: para quem quer investir no país.

Os brasileiros já estão entre os estrangeiros que mais investem em Portugal. Isso fez com que o governo criasse políticas que estimulam os empreendimentos das empresas brasileiras em solo português.

O QUE VOCÊ PRECISA PARA MORAR EM PORTUGAL?
NACIONALIDADE

Se você é filho, neto ou cônjuge de algum cidadão português, você tem direito à nacionalidade do país. O processo demora um pouco (em média, oito meses) e depois de concluído, você pode, como cidadão português, dar início e entrada ao documento de outro familiar – e assim por diante.

VISTO

Se você for morar no país por mais de um ano, precisa ter o visto de residência. É necessário comprovar uma fonte de renda para o período e também justificar seu motivo.

CASO PRETENDA COMPRAR UMA CASA EM PORTUGAL

Fazer uma simulação é um dos primeiros passos para quem quer comprar uma casa em Portugal, assim é possível avaliar a proposta de uma instituição financeira para um determinado montante de empréstimo, as condições, os custos, o valor de prestação, o prazo do empréstimo e as taxas de juro.

Entre em contato com uma empresa especializada, que vai adequar a proposta ao seu caso e explicar todos os passos.

Montante de empréstimo e valor de compra

O valor de compra da casa em Portugal é determinante para definir o valor de empréstimo que poderá ser concedido pela instituição financeira. Além de ser necessário você ter a capacidade financeira para pagar esse empréstimo, os bancos em Portugal só poderão financiar uma parte do valor para realizar a compra. Esse valor depende de instituição para instituição, mas pode representar cerca de 70% ou 80% no caso de clientes estrangeiros.

Taxa de Esforço

Para obter o financiamento, outro indicador que será analisado é a Taxa de Esforço, ou seja, o quanto do rendimento familiar é destinado ao pagamento de créditos, para garantir que você vai conseguir pagar o empréstimo. De uma forma geral, em Portugal, a taxa de esforço no crédito habitação não deve ser superior a 40%. Ou seja, a prestação não deverá, considerando também os encargos com outros créditos que possa ter ou outro tipo de encargos fixos, representar mais do que 40% do rendimento do agregado familiar.

Euribor

Se pedir um crédito habitação em Portugal uma coisa é certa: você vai ouvir falar muito de Euribor. A Euribor não é mais do que uma taxa que tem por base a média dos juros cobrados por um painel de 52 Bancos na Zona Euro entre si para se financiarem. Representa, portanto, quanto custará o dinheiro que os Bancos Europeus disponibilizam no mercado, e influencia as taxas de juro cobradas aos consumidores finais.

No caso do crédito habitação, a Euribor é a taxa de referência utilizada na maioria dos empréstimos e corresponde a uma taxa de juro variável, o que significa que acompanha as variações do mercado. Quando a Euribor aumenta, os bancos pagam mais pelo dinheiro que precisam para se financiarem, logo a prestação da casa aumenta também.

A Euribor em Portugal tem para o crédito habitação os prazos de referência de 3, 6 ou 12 meses, o que quer dizer que a taxa de juro que serve de base ao empréstimo pode ser atualizada cada 3, 6 ou 12 meses. Por exemplo se a taxa de juro do empréstimo for a Euribor a 6 meses, de 6 em 6 meses o valor da prestação é atualizado de acordo com o valor em vigor da Euribor nessa data. Geralmente ao valor da Euribor é acrescida uma margem, ou spread, que é definido por cada banco em função do perfil de cliente e das condições do empréstimo. A soma da Euribor e spread corresponde à Taxa de Juro nominal (TAN) que se aplica ao empréstimo e com a qual será calculada a prestação.

Além da taxa de juro variável existe também em Portugal a possibilidade de optar por uma taxa de juro fixa para a totalidade do empréstimo ou apenas por um determinado período. Neste caso, durante o período definido para a taxa de juro fixa a prestação será constante. A diferença entre as duas é que a taxa fixa pode ser um pouco mais alta (mas nunca se altera) e a taxa variável (Euribor), apesar de ser mais baixa inicialmente pode variar ao longo do empréstimo, fazendo também variar a prestação.

TAEG

O termo significa Taxa Anual de Encargos Efetiva Global e leva em conta as comissões cobradas pelo Banco, os juros, as despesas legais com os impostos e com o registro, além dos custos dos seguros associados ao empréstimo (o seguro do imóvel e o seguro de vida). Como este indicador dá uma visão global dos custos do empréstimo, é um dos melhores para comparar diferentes propostas de crédito habitação. Quanto menor for esta taxa, menores serão os custos.

MTIC

Significa Montante Total Imputado ao Consumidor e apresenta o montante total que o cliente vai pagar à instituição durante todo o período do empréstimo, considerando o valor de crédito concedido, mas também todos os custos associados, nomeadamente juros, comissões bancárias, impostos e outros encargos. Representa também os custos globais do empréstimo, e é uma excelente forma de saber quanto se pagará no total pelo dinheiro que precisa.

As coisas podem não parecer tão simples, mas é importante saber todos os conceitos pois eles podem te ajudar a perceber melhor como funciona um simulador de crédito habitação.

AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA

Se você investir no país, o visto se torna dispensável, mas, neste caso, você precisará da autorização para residência temporária. O compromisso é grande: de 250 mil a 1 milhão de euros ou a criação de 10 postos de trabalho no período de cinco anos.

Segundo alguns dados do Instituto Nacional de Estatística do país, comprar casa em Portugal está valendo mais a pena do que alugar. E ainda segundo o mesmo estudo, se você morar de aluguel pelos próximos 18 anos, terá gasto o valor suficiente para comprar uma casa nova. 

Carol T. Moré é editora do FTC. Internet, café, todo tipo de arte, viagens e pequenos detalhes da vida a fazem feliz. Acredita que boas histórias e inspirações transformadas em pixels conectam pessoas.

Carol T. Moré – já escreveu posts no Follow the Colours.


Você também poderá gostar de:

Comentários